Supermercados de SP geram mais de 1 mil vagas

Segmento supera a média negativa do varejo do Estado paulista e também deve contratar mais no fim do ano

Enquanto os números divulgados ontem (20) mostraram que o varejo paulista demite mais do que contrata, os supermercados apresentam números diferentes: em agosto, a geração de empregos apresentou um saldo positivo de 1.552 vagas – resultado das 19.267 contratações e das 17.715 demissões no mês.

Apesar de positivo, o número é bem menor do que o registrado em agosto do ano passado, quando o saldo foi positivo em 5.248 vagas.

Leia também
Varejo demite mais do que contrata em SP

Os números são do levantamento mensal da Associação Paulista de Supermercados (APAS) e consideram os comércios varejistas listados entre os supermercados, hipermercados, atacados de produtos de alimentos e bebidas, minimercados, mercearias, armazéns e comércio de hortifrutigranjeiros.

Segundo a pesquisa, na comparação com julho, houve um aumento de 0,3% no saldo de vagas do setor supermercadista. Em 12 meses, a alta foi de 1,06%.

Em se tratando apenas de supermercados e hipermercados, a evolução mensal dos empregos apresentou alta de 0,12%, o que representa 434 vagas adicionais, totalizando 352.209 colaboradores.

Leia também
Natal deve ser o pior para as vendas desde 2004

O setor supermercadista brasileiro soma 1.823.341 de empregados e, em se tratando de supermercados e hipermercados, há um total de 1.159.428 colaboradores.

Ao contrário do varejo em geral, para o fim do ano as expectativas também são de aumento de contratações no segmento, embora em ritmo inferior aos demais anos. Devem ser geradas 4 mil vagas entre novembro e dezembro. No ano passado, foram mais de 8 mil vagas.

?As contratações só não serão maiores porque estamos diante de um cenário macroeconômico que impacta na maior demanda dos consumidores, além de uma inflação mais elevada que reduz o poder de compra, impactando diretamente nas vendas do comércio como um todo?, explicou em nota o gerente do departamento de Economia e Pesquisa da APAS, Rodrigo Mariano.

Leia também
Contratação temporária deve despencar em SP




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS