Apple Pay é tudo isso?

Será que a marca da maçã conseguiu de novo aprimorar uma indústria com uma inovação disruptiva, que representa um salto de qualidade sem precedentes?

 

*Por Jacques Meir – diretamente de Las Vegas

Uma das questões mais polêmicas abordadas no Money 20/20 trata justamente do desenvolvimento do Apple Pay. O sistema de pagamento da Apple, inicialmente válido para os usuários de seus dispositivos é simples, amigável, seguro e vem apresentando curvas de crescimento expressivas em sua utilização. Os painéis que, de certa forma, abordaram o significado do Apple Pay atraíram enorme interesse.

Será que a marca da maçã conseguiu de novo aprimorar uma indústria com uma inovação disruptiva, que representa um salto de qualidade sem precedentes?

Leia Mais: As 5 startups mais legais do Money 20/20 2015

A resposta ainda está em construção. Um painel em especial – Apple Pay, um ano depois. Perspectivas dos maiores stakeholders – foi bastante ilustrativo ao abordar as diversas implicações do Apple Pay. Adquirentes, varejistas, bancos falaram abertamente sobre o impacto do Apple Pay. Inicialmente, como solução de pagamento, os benefícios impressionam: simplicidade total para o consumidor. O “tap and pay“, tão comentado ao longo do Money 20/20, ganha no Apple Pay a sua mais fiel tradução. Basta um toque na tela que o sistema efetiva a transação em instantes, utilizando tecnologia NFC. A segurança é absoluta. As possibilidades de diálogo entre varejistas e consumidores, abrindo ofertas por meio do sistema são imensas. A segurança, por meio da encriptação instantânea dos dados de compra, é total. A taxa cobrada pela Apple dos varejistas é muito pequena, o que impacta o negócio de adquirência – chega a 0,15% em alguns casos. A evolução de uso é expressiva. Há casos em que as compras por meio do Apple Pay aumentam 50% ao mês em número de transações e 18% em valor. Um sucesso, certo?

Leia Mais: Todo o tempo para comprar. Nada para pagar

Bom, o outro lado da moeda já reduz esse entusiasmo. A competição dos meios de pagamento está se acirrando violentamente. O Chase lançou o seu Chase Pay, que aglutina os benefícios do Apple Pay, e permite pagamento via NFC, via app, via SMS… e bom, o Chase tem o próprio negócio de adquirência. O Android Pay se contrapõe à Apple, trazendo o código aberto, o que em tese permite maior acesso à inteligência analítica a ser extraída das transações. MasterCard tem o MasterCard Pass, Samsung oferece o Samsung Pay, e todos esses sistemas esbarram em um obstáculo fundamental: como serão difundidos globalmente? Esta é a pergunta de US$ 1 trilhão. Cartões de crédito já têm, há décadas, protocolos que uniformizam seu uso, autenticação e conversibilidade em diferentes padrões monetários. Ao consumidor, basta apenas apresentar o cartão. Ele não se preocupa com questões legais, taxas de administração locais, nada. Pois bem: essas questões estão no horizonte do Apple Pay.

No Brasil, por exemplo, como a Apple conseguirá difundir seu sistema de pagamento diante de mercados tão concentrados quanto os de adquirência e de bancos, com grande concentração? As taxas seriam maiores e a velocidade de adesão muito mais lenta que em um mercado fortemente descentralizado e fragmentado, nestes campos, como o dos EUA.

Leia Mais: Dinheiro novo criando o novo dinheiro – Especial Money 20/20

De todo modo, a experiência do consumidor é receptiva à inovação? O potencial disruptivo e a força da Apple, bem como o esforço de diversos competidores – bancos, teles, indústrias, adquirentes, startups – está correndo no sentido de mudar realmente o uso e o significado das transações financeiras. Cedo ou tarde, essa questão espinhosa chegará ao Brasil. Estamos preparados culturalmente para uma mudança tão radical em nossa forma de comprar e vender?

 

Artigo5 foto1

Money 20/20 discutiu as implicações do Apple Pay – segurança e facilidade sem precedentes no pagamento

 

Artigo5 foto2
Mas a disseminação global e os obstáculos regulatórios e culturais ainda são grandes ddesafios

 

*Jacques Meir é Diretor de Conhecimento e Plataformas de Conteúdo do Grupo Padrão

Leia Mais:

“Tap and Pay” . E mais nada

As revistas Consumidor Moderno e NOVAREJO trarão diversos conteúdos, tanto nos sites e redes sociais quanto nas próximas edições impressas para levar aos nossos leitores todas as informações e desdobramentos do Money 20/20.

http://138.97.105.238/index.php/experiencia/grandes-experiencias/item/30957-as-5-startups-mais-legais-do-money-20-20-20515

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS