Quase metade das MPEs estão pessimistas

Na percepção de micro e pequenos empresários , situação da economia se agravou nos últimos meses

A economia terminou 2015 em recessão, e a percepção de piora no ambiente de negócios cada vez maior que têm afetado a confiança dos prestadores de serviços.

Leia também:
Varejo demitiu 204 por dia em SP

O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário (ICMPE) calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) registrou 40,03 pontos em dezembro. Embora o resultado tenha sido o maior da série iniciada em maio de 2015, o indicador segue abaixo do nível neutro de 50 pontos, mostrando que a maior parte dos MPEs continua pessimista com o ambiente econômico do país.

Leia também:
Consumo das famílias despenca 36%

No total, 40,38% dos empresários se dizem pessimistas em relação a expectativa da economia brasileira nos próximos seis meses. “O diagnóstico de que a economia piorou nos últimos meses foi compartilhado por 83,0% dos empresários e apenas 6,75% tiveram a percepção de que a economia melhorou”, explica Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Para a economista, essa avaliação reflete o quadro recessivo da economia brasileira, que se agravou nos últimos meses, com aumento da inflação, dos juros, as quedas no volume de vendas do varejo e também do setor de serviços. “A inflação reduz o poder de compra do consumidor, impactando diretamente o consumo das famílias e, consequentemente, o faturamento das empresas”, completa.

Leia também:
Vendas de SP registram a maior queda desde 2008 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS