Dispositivo usa o calor da geladeira para aquecer água

Sabe aquele calor que era usado para secar a roupa atrás do refrigerador? Ele pode fazer bem mais que isso

Estudiosos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) encontraram uma maneira mais eficiente de aproveitar esse calor: aquecer água para a residência.

A tecnologia, que já foi inclusive patenteada pela Poli, usa o calor gerado naturalmente na refrigeração da geladeira para aquecer a água da torneira de cozinha e chuveiro. O experimento foi desenvolvido pelo professor José Roberto Simões Moreira e o aluno Lucas Zuzarte.

No processo de circulação do gás refrigerante da geladeira, o gás é aspirado pelo compressor e comprimido, o que resulta em aumento da pressão e temperatura do gás. Daí ele prossegue para um condensador ? uma espécie de serpentina que fica na parte posterior da geladeira doméstica, onde o calor é dissipado.

?Inserimos um tanque de água entre o compressor e o condensador permitindo, assim, que o calor do gás quente fosse transferido para a água em vez de ser dissipado para o ambiente em que se encontra a geladeira?, explica Moreira, que também é coordenador do Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos (SISEA).

Segundo os testes, realizados com uma geladeira comercial de 565 litros e um tanque de 25 litros acoplado ao sistema, a economia seria superior a R$35 ao mês em comparação ao uso de aquecedores elétricos.

A capacidade de aquecimento varia de acordo com a potência e o uso do refrigerador, por isso seria mais eficiente em aparelhos comerciais. A ideia é apresentar o sistema aos fabricantes de geladeiras, que poderiam oferecer o sistema na hora da venda do eletrodoméstico.

 
*Via CicloVivo.
 
 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS