Relação com mobilers é desafio para empresas

Relevância da Internet supera televisão, rádio e impressos, indica estudo global

O smartphone é o dispositivo com maior penetração na população brasileira: 90% dos usuários carregam um no bolso, enquanto 44% possuem tablets. Porém, 30% dos usuários em média nunca prestam atenção na propaganda, ainda que 60% deles às vezes presta atenção no que está sendo veiculado. Mas o que os brasileiros tanto fazem na internet? Socializar.

Leia também:
6 Atitudes de uma marca inteligente 

Os dados fazem parte de um relatório divulgado pela Millward Brown, agência global de pesquisa de mercado. O MMA Mobile Report 2015 é um estudo encomendado pela Mobile Marketing Association e realizado em parceria com a Netquest, que traça os hábitos dos usuários de internet por meio de celulares ou tablets ? conhecidos como mobilers.

Segundo a pesquisa, os mobilers checam todos os dias os seus perfis nas redes sociais, sendo que a favorita deles é o Facebook ? e em todas as faixas etárias também. O acesso se dá de três a quatro vezes por dia. Os mais impactados por publicidade são os millennials, naturalmente, uma vez que eles passam muitas horas conectados. E sendo a rede social mais acessada pelos brasileiros, é pelo Facebook que as marcas se relacionam com os mobilers. Na sequência está o YouTube.

Na sequência estão os aplicativos de bate-papo, com o WhatsApp em maioria esmagadora, preferido também dos mais experientes. Dentre os mais jovens, os preferidos são os aplicativos com recursos audiovisuais, como YouTube e Instragam, com destaque também para o Snapchat.

A média de aplicativos por usuários é 20, sendo que somente seis deles são usados semanalmente. Na Europa, por exemplo, a média é de 29 aplicativos por usuário. Curiosamente, boa parte dos entrevistados escolhe os aplicativos depois de consultar amigos e parentes e os remove depois de atingir seus objetivos.

Leia também:
30% das transações globais já são via mobile

Como chamar a atenção dos mobilers, então? Entre os mais jovens, o que conta mais é o o visual e o design das peças, obter algo em troca (cupons, recompensas), interesse pela categoria de produto/serviço e o humor. Já entre os mais velhos, a maior motivação é o interesse pela marca. Os formatos mais indicados são fotos de produtos e via posts nas redes sociais.

A pesquisa foi feita entre os dias 3 e 13 de novembro e contou com 1200 participantes, das classes A, B e C, em nove regiões metropolitanas: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Brasília (DF), Recife (PE), Fortaleza (CE) e Salvador (BA). O grupo foi dividido, por gerações: Millennials (14 a 24 anos), Geração Y (25 a 34 anos), Geração X (35 a 44 anos) e Boomers (45 a 55 anos).

Leia também:
5 Dicas para se comunicar melhor com a geração Z  

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS