Faturamento das MPEs de SP volta ao patamar de 2009

Faturamento de novembro de 2015 alcançou o mesmo nível do verificado no ano da crise financeira 

A receita das Micro e Pequenas Empresas caiu em novembro do ano passado, segundo divulgado hoje (13) pelo Sebrae-SP. Essas empresas somaram R$ 47,6 bilhões em faturamento – mesmo nível do verificado em 2009, quando o País sofria com a crise financeira internacional.

O faturamento real, segundo o indicador, caiu 15,9% no período, em comparação ao mesmo mês de 2014. O resultado também foi o pior resultado para o mesmo mês desde novembro de 2008.

Os resultados, segundo o Sebrae-SP, “são reflexo da economia enfraquecida, principalmente do baixo nível de confiança dos consumidores e da piora do mercado de trabalho. Pesaram ainda para inibir a ida às compras, a elevação dos preços dos alimentos e o nível de endividamento de parte das famílias”.

Leia também
Sebrae cria movimento para incentivar pequenos negócios

Na análise por setores, as MPEs da indústria registraram recuo de 14,9% no faturamento em novembro de 2015 na comparação com igual período de 2014. O comércio, por sua vez, viu o faturamento cair 13,7% e os serviços sofreram uma redução de 18,8% na receita real.

O desempenho ruim fez com que as expectativas para o início de 2016 sejam as mais pessimistas da série histórica da pesquisa de expectativas, iniciada em maio de 2005: apenas 20% deles acreditam em aumento de faturamento da empresa no primeiro semestre de 2016 (eram 25% em dezembro de 2014). Já 13% falam em queda ante 10% de um ano antes. Os que confiam que haverá estabilidade são 56%; em dezembro de 2014 esse grupo era de 57%.

Leia também
56 milhões compram dos pequenos negócios

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS