Um Super Bowl mais ?tech?

Saiba por que o maior evento esportivo dos EUA está ainda mais tecnológico este ano

O Super Bowl, maior evento esportivo dos Estados Unidos, está mais tecnológico este ano. Além de marcas tradicionais que apoiam o evento, a  sua 50 edição terá como apoiadores empresas que fazem parte da nova dinâmica digital de consumo.

A primeira a apoiar e também se beneficiar com o Super Bowl é a Airbnb. Ela anunciou que o preço dos alojamentos em casas privadas em São Francisco estão custando o triplo do habitual entre 1 e 7 de fevereiro, dia da final.

Marissa Mayer, CEO da Yahoo!, Brian Krzanich CEO da Intel e David Drummond, VP da Alphabet, fazem parte da comissão organizadora. Hewlett Packard, SAP e Seagate também patrocinam.

Segundo, Keith Bruce, responsável pelo comitê de organização do Super Bowl, ?as empresas tecnológicas sabem que o evento é uma peça importante da cultura americana e que ali podem chegar a um publico mais amplo?.

Só com o apoio de instituições privadas (fora os aportes estatais) o evento já arrecadou 50 milhões de dólares em propaganda.

O estádio conta com 1.200 pontos de conexão wifi para comportar 72.000 pessoas postando selfies e fotos nas redes sociais e buscando estatísticas da partida na internet. A capacidade de banda larga é 10 vezes superior a exigida pela NFL em todos os outros estádios. Para se ter uma ideia da importância da conexão no estádio, no ano passado Twitter e Facebook quebraram todos seus recordes de tráfego durante  a transmissão do evento. Este ano a hashtag no twitter é #SB50.

Para os momentos complicados de entrada e saídas do estádio, o Google oferecerá ônibus para as pessoas que trabalham no evento, e também para o público ao custo de 55 dólares ida e volta, partindo de um ponto estratégico da cidade.

Uber também está na lista dos patrocinadores. A empresa construiu um estacionamento imenso a apenas duas quadras do estádio, numa localização estratégica, que não impacta o transito local, para descarregar e carregar seus passageiros. A empresa terá uma tarifa fixa no dia do evento para sair e entrar da baia de São Francisco, local do Levi?s Stadium, onde será a partida final. Uber também proibiu o acesso a este local da Lyft, seu maior concorrente.

Apple se comprometeu a prover à comissão organizadora o uso de produtos e equipamentos e declarou que sua logomarca será coberta em seus gadgets.

SAP, outra patrocinadora, optou por criar um jogo futurista que será exibido nas telas do estádio e nas zonas de acesso. Yahoo! ficará com a responsabilidade de oferecer as estatísticas da partida em tempo real.

Os wearables não ficaram de fora do espetáculo. A startup Zebra mostrará para às equipes a velocidade, consumo calórico, pulsação e detalhes do estado de saúde de seus jogadores por meio de um tecido tecnológico em suas roupas.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS