São Valentim: o santo que nunca existiu

Um padre preso, condenado e que perto da morte se apaixonou pela filha de um carcereiro. Se já ouviu essa história, saiba de uma coisa: a história e o próprio santo nunca existiram

Por: - 3 anos atrás

Hoje, alguns países ao redor do mundo celebram o dia dos namorados, também conhecido como Dia de São Valentim ou Valentine?s Day. Se esse é o seu caso, talvez a informação a seguir despedace o seu pobre coração apaixonado: o santo e toda a história nunca existiram!

Sim, o santo que deu origem Ao dia dos namorados celebrado em países como os EUA, por exemplo, não existiu ou, segundo afirmou a própria Igreja Católica, ?não existe qualquer evidência de sua existência?.

A história que deu origem à celebração teria se originado em 498 d.C.. O Imperador Cláudio II teria proibido o casamento durantes as guerras por uma razão, no mínimo, curiosa: segundo a sua teoria, os solteiros sem laços familiares eram guerreiros melhores e sem qualquer desprendimento com a própria vida. É nesse momento que surge o nosso herói, o padre Valentim.

Ele foi contrário à medida imposta por Claudio II e promoveu casamentos às escondidas. No fim, ele foi flagrado, preso e condenado à morte. No cárcere, enquanto aguardava o dia da sentença, o padre recebeu incontáveis cartas encorajadoras de diversas jovens, dentre elas, Artérias, a filha cega de um carcereiro.

Valentim e Artérias enviaram cartas despretensiosas até que um dia, sem querer, apaixonaram-se perdidamente um pelo outro. O amor, inclusive, deu origem a um milagre: a jovem recuperou a visão.

Infelizmente, o amor não foi suficiente para interromper a sentença de morte do pároco. Antes de cumprir a sentença, Valentim enviou a derradeira carta de amor à amada. Ao fim da missiva, ele proferiu a assinatura ?Your Valentine? (Seu Valentim), expressão até usada nos cartões no Dia de São Valentim.

Tudo muito lindo, colorido, florido e cheio de corações, certo? Ocorre que, em 1969, a Igreja deixou de reconhecer a existência de Valentim por falta de indícios históricos de sua existência. Ou seja, a igreja criou Valentim e, séculos depois, afirmou que tais trocas de cartas nunca existiram.

Mas por que isso aconteceu? A teoria mais aceita é a de que a Igreja ?apropriou-se? e incorporou ao seu rito uma festa pagã lupercal, que nada mais é do que uma celebração a um fauno que protege a loba que amamentou Remo e Rômulo (que deram origem a Roma). Tal celebração, aliás, acontece no dia 15 de fevereiro, ou seja, quase no mesmo dia de São Valentim.

Há outras teorias, como o dia do acasalamento de pássaros (que aconteceria no dia 14/02), entre outros.

Frustrou-se com a história de Valentim? Bom, se serve de consolo, o que realmente importa nessa data não é a fábula que os americanos contaram, mas a verdadeira história de amor entre duas pessoas. E esse é o legado que todos devem deixar uns para os outros.