Consumidores de SP terão Páscoa mais cara

Somente os preços das barras de chocolate subiram 12,35% nos últimos 12 meses. Veja outros itens

Os consumidores da cidade de São Paulo terão uma Páscoa mais cara neste ano, segundo a FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo). A Federação calculou a inflação dos produtos mais procurados durante o período e mostrou que eles subiram e muito.

Somente os chocolates em barra e bombons, principais itens consumidores no período, apresentaram aumento de 12,35% nos últimos 12 meses até fevereiro – porcentual acima da inflação médio do período, que foi de 10,18%.

Leia também
Vendas dos supermercados devem cair na Páscoa

Esse aumento, segundo a Federação, deve apresentar reflexo nos preços dos ovos de Páscoa. O preço dos peixes, por sua vez, ficou 13,12% maior, em média, no mesmo período.

Segundo a Federação, peixes importados, sujeitos à variação do dólar – que entre março de 2015 e fevereiro deste ano variou 26,6% – foram os que apresentaram maior aumento, com destaque para a merluza, que teve a maior elevação nos últimos 12 meses, de 27,45%, seguida pelo salmão (24,16%).

Itens utilizados como tempero nas refeições também sofreram os impactos da alta do dólar: os preços do azeite e do alho subiram 32,14% e 66,73% no período, respectivamente.

Para a Federação, com a alta dos preços, a tendência é que o consumidor substitua o que costuma comprar por itens mais acessíveis. “A elevação do dólar e a pressão inflacionária sobre os alimentos impactaram fortemente o seu poder de compra, tornando-o cada vez mais cauteloso na hora das compras. O mau momento da economia e o desaquecimento do consumo também devem ser sentidos nesta Páscoa”.

Leia também
Vendas na Páscoa devem sofrer queda de 3,4%






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS