3 comportamentos do cliente que você deve saber

O consumidor muda o tempo todo, principalmente em crises. Entenda

Shutterstock

Em tempos de crise, os consumidores ficam mais cautelosos, cortam os supérfluos, esperam. Opa…cuidado, não é bem assim. Ao contrário do que muito se prega por aí, o comportamento do consumidor não é linear e, mesmo em crises, não segue a cartilha do ?cauteloso?. 

Em evento de varejo que ocorreu na última semana, Adriano Araújo, diretor geral da Dunnhumby Brasil, companhia britânica de ciência do consumidor, explicou que o brasileiro que entrou no universo de consumo levado pelo boom do crédito e aumento da renda da última década não vai simplesmente deixar de lado os hábitos de consumo que conquistou. 

?Claro que há uma troca de produtos pelos mais baratos. Mas essa troca não acontece de maneira uniforme?, disse. ?O consumidor não está deixando de gastar. Ele está questionando mais onde ele vai gastar?, avaliou. 

Segundo dados da companhia, 59% dos consumidores estão mudando seus hábitos de consumo, seja por gasto ou frequência. Junto com essas mudanças está surgindo um novo perfil de consumidor: o cliente econômico-extravagante. 

Entenda esse comportamento e outros que pautam os hábitos de consumo dos brasileiros na crise e que você precisa saber. 

Leia também
Intenção de consumo recua 29,9% em março

1. Manutenção dos pequenos luxos
?Em crise, você percebe que há mudança no mix de produtos que faz parte da cesta do consumidor ou no preço médio. Mas essa troca não é uniforme?, explica Araújo. O que acontece, diz ele, é que os consumidores poupam no básico para manter pequenos luxos. ?Eles compram marcas mais baratas em categorias básicas, como higiene e limpeza para comprar aquele item que ele conquistou nos últimos anos?, afirma.

2. Onde estou gastando mesmo?
Com crises, um perfil passa a fazer parte do cenário do consumo de maneira mais consistente: é o econômico-extravagante. ?É um segmento de consumo que cresce: é o cara que economiza de um lado para gastar em outro e, mais do que isso, se questiona a respeito do valor da compra. Valor e não preço?, enfatiza Araújo. Ele explica que o consumidor está questionando mais onde ele vai gastar o dinheiro que tem. O velho custo-benefício está mais forte agora. ?A guerra é por valor e não por preço?, avalia. ?Você tem de ser competitivo nos itens que para o seu cliente preço é importante?, diz. 

3. Riqueza deixa de ser posse
Outro comportamento que ganha espaço, ainda mais em cenários instáveis, é o valor que os consumidores estão dando, cada vez mais, para as experiências que eles têm e não apenas para as posses. ?A crise acelera esse processo. O primeiro drive dessa mudança é econômico; e depois é tecnológico?, avalia Araújo. Agora, os consumidores querem muito mais lembranças do que coisas. Essa mudança de comportamento é muito influenciada pelos millennials. 

Leia também
O comportamento do consumidor durante a crise






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 262: O consumidor é phygital

CM 261: O respeito ao cliente é o caminho para 2021

Anuário: A omnicanalidade em todo lugar

VEJA MAIS