Saiba quanto aumenta o valor do plano de saúde na terceira idade

Pesquisa mostra variação de preços de acordo com a faixa etária

Tempo de leitura: 2 minutos

4 de abril de 2016

Ollyy/ Shutterstock

Uma das preocupações conforme o tempo vai passando e a idade vem chegando é com o preço que se paga pela saúde. A tabela de preços aumenta gradualmente, mas na terceira idade o valor chega a ser insustentável.

Aliás, pode variar até 500%, segundo levantamento feito pelo Portal Plano de Saúde, plataforma de comparação de planos de saúde, com dados da seguradora Qualicorp. A pesquisa ponta que, enquanto quem tem até 18 anos paga, em média, R$ 207 por mês, os maiores de 59 anos chegam a desembolsar R$ 1.239, quase cinco vezes mais.

“Ainda que essa variação seja grande, com bastante pesquisa é possível encontrar opções adequadas e acessíveis para planos de saúde”, explica Guilherme Luz, diretor de conteúdo do Portal Plano de Saúde. A ideia da ferramenta, aliás, é concentrar em um só endereço todas as informações necessárias para quem busca um plano de saúde. “As opções coletivas por adesão, por exemplo, em geral são as que oferecem as mensalidades mais em conta”, afirma.

Para ele, por mais que seja difícil contornar a realidade do aumento dos preços com o avanço da idade, pelo menos é possível evitar a dor de cabeça mais para a frente: “O melhor remédio sempre é a prevenção, então é importante que os jovens pensem no futuro e levem uma vida saudável para evitarem visitas tão constantes ao médico na terceira idade”.

Pesquisa:

Para chegar ao resultado, a pesquisa considerou os planos de entrada, coletivos por adesão, de três dos principais players do setor: Amil, SulAmérica e Unimed. Os valores encontrados para cada faixa etária são a média dos três preços.

Confira o resultado na tabela abaixo:

aumento-plano-saude-idade

Entre 19 e 23 anos, a franquia é 31% mais cara do que aos 18. Já para a parcela dos beneficiados com idade de 24 a 28, o valor sobe 49% – sempre em relação à mensalidade mais baixa.

Como mostra o levantamento, o valor dá um salto quando se considera a faixa dos 44 a 48 anos: nesse caso, o aumento é de 146%, seguido por 197% para quem tem entre 49 e 53. A parcela dos 54 a 58 anos já paga, em média, R$ 746,74, 261% a mais que aos 18, e esse valor quase dobra para a faixa etária seguinte, acima dos 59, alcançando o teto de R$ 1.239,16.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS