O que leva as mulheres brasileiras à instabilidade financeira

Você investe em previdência privada? Segundo estudo, boa parte das mulheres está despreparada para a aposentadoria. Confira

Por: - 4 anos atrás

Shutterstock

Mais da metade das brasileiras chega ao fim do mês sem nenhum sobra financeira ou até mesmo no vermelho. Segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 50,4% estão nessa situação.

A principal justificativa é o comprometimento com os gastos considerados básicos, como as contas de luz, água, aluguel e a compra de mantimentos como arroz e feijão.  “O avanço da inflação e o aumento no desemprego desde o ano passado estão corroendo o poder de compra dos consumidores e provocando um desequilíbrio no orçamento pessoal e familiar de muitas famílias”, comenta Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Entre as razões apontadas para não conseguir para as contas está a falta de controle com os gastos, 18,2%, com percentuais maiores entre as respondentes mais jovens (27,5%), e os gastos realizados além do que o orçamento permite por outros moradores da casa, 15% (o número aumenta para 24,2% entre mulheres com idade entre 35 e 54 anos).

O que você faria se recebesse um dinheiro extra, equivalente a 12 salários?

A pesquisa fez essa pergunta às entrevistadas e a atitude mais comum seria guardar para alguma emergência (34,7%, aumentando para 45,1% entre as mais velhas e 39,6% entre as solteiras). Também foram citadas a reforma da casa (33,9%), o pagamento de dívidas e o desejo de fazer uma viagem (26,2%).

Uma questão preocupante é a preparação para o futuro e a aposentadoria. De acordo com a pesquisa, 19,6% não se preparam por não saber por onde começar; 12,1% gostariam de preparar-se, mas dizem não ter sobra de dinheiro para guardar; 19% afirmam se preparar dependendo do INSS e 13% pretendem recorrer à poupança e/ou investimentos. Apenas 4,7% preparam-se por meio de previdência privada.

Em média, as entrevistadas que se preparam para a aposentadoria fazem isso há 13 anos. Esse número aumenta com o avanço da faixa etária e entre as entrevistadas das classes A e B.

“Muitas pessoas pensam que só adianta poupar ou investir se for uma quantia grande e por isso desistem de se organizar para a aposentadoria. Cada um deve agir conforme a própria realidade financeira, mas sabendo que os benefícios serão colhidos dentro de vários anos, justamente quando a pessoa mais precisar”, afirma José Vignoli, educador financeiro do SPC Brasil e portal Meu Bolso Feliz.

Produtos financeiros

Entre os serviços e produtos financeiros mais acessados por elas, estão o cartão de crédito, 56,9%, a conta corrente, 55,9%, e a poupança e investimentos, 53,1%, – em muitos casos, compartilhados com os cônjuges ou ainda em nome de terceiros. Entre os produtos e serviços exclusivamente no nome das entrevistadas, os mais citados são a conta corrente, 48,2%, e o cartão de crédito, 42,9%.

O estudo também analisou a satisfação das entrevistadas em relação às instituições prestadoras destes serviços e constatou que o segmento não consegue atingir o objetivo de atender às necessidades das mulheres. A média da satisfação com itens que permeiam o relacionamento entre as instituições e as mulheres ficaram entre as notas 5 e 6, considerando uma escala de 10 pontos.

“Esse é um importante gancho para que as empresas desse setor possam entender o que as consumidoras brasileiras procuram”, explica Kawauti. “Identificar seu público alvo e entender o universo feminino são possíveis estratégias para os empresários conseguirem atender seus consumidores e aumentarem suas vendas”, indica a economista.

Por fim, a pesquisa constatou que, quando as mulheres necessitam de informações sobre investimentos, empréstimo ou outros produtos financeiros, a preferência de 34,9% é justamente procurar nessas instituições e em bancos, seguidos dos amigos e da família (20,1%). Outros 25,8% das entrevistadas afirmam não usar serviços financeiros.

 

*Com informações do portal SPC Brasil.