Confiança, item fundamental para as relações de consumo

Você confia nas marcas que consome? E o contrário, acontece? Entenda porque a confiança é fundamental e como pode ser possível alcançá-la

Nicoleta Raftu/ Shutterstock

São muitos os fatores que levam os consumidores a escolherem uma marca em detrimento de outra. Encantamento, qualidade do produto, preço. Há, no entanto, uma palavra que resume tudo isso: confiança. Quando o consumidor confia na empresa fornecedora de algum produto ou serviço, a chance de voltar é grande. O mais interessante neste termo, entretanto, é que ele permeia muito mais do que as relações de consumo.

“A confiança é um elemento fundamental, seja para os consumidores, fornecedores ou toda a sociedade. São valores que reafirmam honestidade, solidariedade, lealdade, são elementos importantes para construir um país e uma nação”, afirma Ricardo Morishita, diretor de Projetos e Pesquisas do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP).

Um dos fatores que pode justificar o alto número de litígios no Brasil, aliás, é por sermos uma sociedade onde os atores desconfiam uns dos outros. “Expressar confiança também é uma capacidade de toda a sociedade de solucionar os seus problemas de uma maneira não conflitiva, por meio da intervenção do conhecimento. Uma sociedade que confia na outra é mais barata, mais prática, exatamente por não haver desconfiança os procedimentos são mais simples”, completa.

Ricardo Morishita aponta algumas quatro elementos que a empresa pode ficar de olho para fazer a sua parte, ser proativa e estabelecer uma relação de confiança. Confira:

1)    O consumidor precisa conhecer bem o produto ou serviço que está adquirindo. Será que ele conhece? Será que há uma boa comunicação sobre isso?

2)    A segunda coisa: caso o consumidor queira entrar em contato com a empresa, ele tem um acesso adequado? Em relação a canais, linguagem, propósitos?

3)    Essa confiança, para ser construída no dia a dia, depende também da existência de transparência. Existem procedimentos de atendimento, procedimentos de reclamações, procedimentos que o consumidor às vezes tem que utilizar para executar o contrato dentro da empresa. Esses procedimentos são claros? O consumidor de fato tem a possibilidade de conhecer?

4)    Esses processos claros, bem comunicados e que partem de uma compreensão dessa relação também precisam ser rápidos, porque o consumidor hoje tem na velocidade um grande valor.

Ricardo Morishita estará no “A Era do Diálogo” deste ano, onde você poderá saber mais sobre os direitos do consumidor e como evitar conflitos no relacionamento

Serviço:
O que: Seminário A Era do Diálogo
Quando: 19 de abril de 2016
Onde: Hotel Renaissance
Realização: Grupo Padrão, revista Consumidor Moderno
Mais informações: www.aeradodialogo.com.br ou pelo telefone 55 11 3125-2215

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS