O pequeno varejo na era digital: Postmates

Conheça a Postmates, plataforma que conecta pequenos varejistas e oferece aos consumidores opções diferentes do varejo tradicional

Las Vegas  (EUA) – As transformações da era digital podem parecer inalcançáveis para milhões de pequenos varejistas. Como ganhar escala e atrair atenção das pessoas? Como pensar em ser multicanal com uma ou duas lojas? Caroline Fairchild, editora de Nova Economia do LinkedIn, entrevistou o fundador e CEO da Postmates, Bastian Lehman, uma empresa que nasceu com o propósito de empoderar o varejo local.

Basicamente, a Postmates é um inventário das lojas, sejam as preferidas de cada região, sejam aquelas que queiram se lançar no mundo digital. É um App que organiza as compras, busca artigos muito diversos de uso cotidiano e permite transações de modo simples.

A ideia original da Postmates em 2006 era conectar cidades entre si. Bastian foi para a Alemanha e viu cidades muito próximas entre si. Os jovens transitavam de uma cidade para outra. Mas nos EUA, essa fluidez não fazia tanto sentido como negócio. “Percebemos que era possível criar uma rede de varejistas que se conectam com a cidade ao invés de conectar cidades.” Assim, a Postmates permite que você compre de qualquer loja da cidade. Já são mais de 50 mil varejistas compartilhando a plataforma e um inventário de milhões de itens à venda.

A multicanalidade para quem é monocanal

Qualquer tipo de varejista pode se conectar ao Postmates: pequenos restaurantes, pequenas lojas cult, as preferidas de cada consumidor, todas elas têm no app um ambiente de rede e colaboração. O serviço é conveniente. Segundo Bastian, a empresa habilita a entrega, em larga escala para consumidores de cada localidade. É como se a Postmates fosse um enorme open concierge, onde turistas e cidadãos sempre podem descobrir novos locais para usufruir experiências e ter acesso a itens do cotidiano ou buscar o que não são substituíveis.

Mas o que motivaria um pequeno varejista a participar da plataforma? Para Bastian, a pior coisa a fazer é entregar-se e resignar-se ao domínio dos grandes varejistas.

“A mudança acontece você participando dela ou não. Não é possível negar que ela existe”, diz. No campo de atuação da Postmates, como combater a estratégia local da Amazon? O executivo foi enfático: “a Amazon é muito inspiradora e expressiva. Mas quando eles se voltam para o varejo regional, é com que propósito? É interessante observar que a Postmates impulsiona o comércio local. Nossa atuação faz impostos a mais serem gerados para as cidades. Será que a Amazon tem esse compromisso? É esse nosso compromisso que engaja o pequeno varejista local a preferir Postmates.”

Um mundo só regido pela Amazon?

Ainda comentando sobre a Amazon e seu imenso poder de fogo, que ocupa quase todos os espaços digitais, Bastian disse: “Você precisa saber que há sempre uma loja a ser descoberta. Será que as pessoas querem sempre o mesmo de uma só empresa? Será que querem um mundo onde só a Amazon vende?”

A conversa entre Bastian e Caroline Postmates termina com os grandes desafios do futuro. Bastian disse que a Postmates precisa organizar muitos artigos diferentes, muitos itens que em tese não fazem sentido. Como organizar alimentos com sua variedade absurda? O grande desafio é sempre a cauda longa. Mas é dessa forma que cada vez mais varejistas farão parte dessa rede pensada para eles. Postmates trabalha a criação de comunidades varejistas locais, o que tem valor imenso.

*Jacques Meir é Diretor de Conhecimento e Plataformas de Conteúdo do Grupo Padrão






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS