Brasileiros, política e a internet: será que dá caldo?

Pesquisa revela se brasileiros são ou não ativos na web quando o assunto é política. O que você acha?

ratmaner/ Shutterstock

Os acontecimentos políticos dos últimos tempos deixaram bem claro: os internautas brasileiros adoram um debate político. E essa afirmação agora é científica: uma pesquisa realizada pela Worldwide Independent Network of Market Research (WIN) apontou que os internautas brasileiros são os mais ativos politicamente online do que outros nove países da América.

Segundo a pesquisa, os brasileiros usaram as redes sociais para ler sobre temas políticos e, principalmente, postar comentários independentes ou em notícias sobre o assunto.

Confira nos gráficos abaixo:

LERAM SOBRE TEMAS POLÍTICOS OU SOCIAIS NAS REDES SOCIAIS NOS ÚLTIMOS 12 MESES
gráfico-total
De acordo com o estudo, nós lemos mais do que a média (brasileiros que leram nas redes foram 87% dos entrevistados, quando a média é 59%). Ponto para nós!

POSTARAM COMENTÁRIOS SOBRE TEMAS SOCIAIS OU POLÍTICOS NAS REDES SOCIAIS NOS ÚLTIMOS 12 MESES

gráfico-postaram

fizeram-nao-fizeram

Os internautas brasileiros que comentaram sobre temas sociais ou políticos nas redes sociais nesse período somam 58%, 20 pontos percentuais acima da média do continente.  É também no Brasil onde está o maior número de internautas que seguem (ou já seguiram ou mesmo já leram) uma página de conteúdo político em uma rede social nos últimos 12 meses. Metade dos internautas brasileiros afirma ter feito isso, enquanto a média da região é de 36%.

POSTARAM COMENTÁRIOS NAS NOTÍCIAS POLÍTICAS PUBLICADAS POR UM JORNAL ONLINE NOS 12 MESES

noticias
fizeram-nao-fizeram
Para quem acha que os brasileiros leram só bobagens, vale apontar outro dado interessante: comentar notícias políticas publicadas por um jornal online é uma atividade realizada também por metade dos internautas que participaram da pesquisa (49%).

Unir-se a um grupo político ou alguma causa em uma rede social é um ato realizado por 34% dos usuários de internet do Brasil. Já nos Estados Unidos, isso é feito por 20% dos internautas e a média da região é de 21%.

Participar de uma manifestação convocada/ publicada em uma rede social foi algo que 24% dos internautas brasileiros já fizeram, o que coloca o Brasil, mais uma vez, acima da média da região (19%) e em primeiro do ranking dos nove países.

A INTERNET AUMENTA NOSSO COMPROMETIMENTO COM OS PROBLEMAS DA SOCIEDADE

grafico-comprometimentoconcordo-nao

A pesquisa mostra também que há um consenso, especialmente na América do Norte, de que a internet favorece o compromisso social. Nos Estados Unidos, 73% acham que a internet aumenta o comprometimento com os problemas na sociedade. No Canadá, são 67%. Em seguida estão Panamá (53%), Colômbia (45%), México e Brasil (43% nos dois).

Desigualdades – Já o pensamento de que a internet contribui para reduzir as desigualdades entre ricos e pobres gera controvérsia de opiniões: 34% discordam, 31% concordam e 25% não concordam e nem discordam. Os panamenhos são os que mais concordam com esse ponto (41%), enquanto colombianos (50% discordam), brasileiros (42%) e equatorianos (40%) são os que mais criticam.

Sobre a pesquisa
Foram realizadas 8.743 entrevistas em nove países das Américas, entre outubro e dezembro de 2015. No Brasil, foram entrevistados 1.000 internautas e a pesquisa foi realizada pelo IBOPE Inteligência, por meio de sua unidade de pesquisas online, o CONECTA.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS