Número de endividados cai para o menor nível desde janeiro de 2015

Enfim, o porcentual de famílias com dívidas recuou em julho, segundo pesquisa da CNC. Este é o sexto mês seguido de queda. Entenda

O porcentual de famílias com dívida no País recuou em julho para o menor patamar desde janeiro de 2015. No mês, 57,7% das famílias disseram que estavam com dívidas. Esta é a sexta queda consecutiva do indicador mensurado pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Ao contrário do que parece, a queda do endividamento não tem motivos positivos. “A redução do endividamento é consequência da retração do consumo. A perda do poder de compra, causada pela inflação, pelo desemprego e pelo elevado custo do crédito, faz com que o consumidor seja mais ponderado na hora de assumir novas dívidas”, explicou a economista da CNC Marianne Hanson.

A Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic Nacional) é apurada mensalmente pela CNC a partir de janeiro de 2010. Os dados são coletados em todas as capitais dos Estados e no Distrito Federal, com cerca de 18.000 consumidores.

O número de famílias com contas em atraso também caiu em julho, para 22,9% do total. Apesar disso, houve alta do porcentual de inadimplentes em relação a julho de 2015, quando esse indicador alcançou 21,5% do total.

O estudo mostrou que, apesar da queda no endividamento, quem têm dívidas está encontrando dificuldades para quitá-las: em julho, em relação ao mesmo mês de 2015, o percentual das famílias que não terão como pagar as dívidas passou para 8,7%.

Em média, as famílias permaneceram com dívidas por 7,2 meses, sendo que 34,4% delas estão comprometidas por mais de um ano. Quase um quarto das famílias brasileiras – 22,1% – está com mais da metade da renda mensal destinada ao pagamento de dívidas.

Entre os vilões do endividamente, o cartão de crédito foi apontado como um dos principais tipos de dívida por 76,7% das famílias endividadas, seguido de carnês, por 15,7%, e, em terceiro, de crédito pessoal, por 11,3%.

“Apesar da melhora na comparação mensal, na comparação com o ano anterior, houve piora de ambos os indicadores de inadimplência e um número maior de famílias mostrou dificuldade de pagar suas obrigações financeiras em dia. As taxas de juros mais elevadas e o cenário menos favorável do mercado de trabalho impactam negativamente esses indicadores”, afirmou a Confederação.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS