Plano de saúde individual virou raridade

Estudo da Proteste retrata um perfil de 120 planos de saúde no Brasil, revelando um quadro complicado para quem depende do produto

Dragon Images/ Shutterstock

Como o Sistema Único de Saúde não é visto como um bom exemplo de prestação de serviço, com notícias sobre filas e longo tempo de espera, a saída encontrada por muitos consumidores foi apostar em Planos de Saúde. No entanto, a crise está mudando este cenário. Por causa do desemprego, muitos estão perdendo seus planos empresariais, que se estendiam para a família inteira.

Acontece que os consumidores que quiserem contratar um plano particular irão enfrentar muitas dificuldades, já que a avaliação da PROTESTE Associação de Consumidores com 120 planos de saúde individual e familiar comprova que as operadoras quase deixaram de oferecer esta modalidade.

A PROTESTE constatou ainda que apenas 9% dos planos avaliados conseguiram obter conceito acima de 51 (nota mínima exigida para indicação da escolha certa). E apenas dois desses planos ofereciam cobertura nacional, ambas da operadora Unimed Goiânia. Os demais limitavam-se à cobertura, no máximo, estadual. Os preços elevados e as poucas opções de rede credenciada, em muitos casos, prejudicam os consumidores interessados na contração de um plano.

Há sete anos, quando a PROTESTE começou a fazer estes levantamentos anuais, mais de 50% dos planos analisados tinham abrangência nacional. Hoje, esse percentual não chega a 25%.

Os planos individuais seriam a melhor opção, por terem o reajuste estipulado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), mas  a escassez da oferta tem levado muita gente a optar pelos planos coletivos. O que nem sempre é uma boa ideia, porque os reajustes são por variação de custo e as operadoras podem cancelar o contrato unilateralmente a qualquer momento.

Reflexos para o consumidor

Com a preocupante situação da saúde pública, muitos brasileiros aderiram aos planos de saúde nos últimos anos. Contudo, a crise econômica que assola o País tem elevado muito as taxas de desemprego. E o brasileiro demitido perde, além da renda, o plano de saúde, um dos mais importantes benefícios muitas vezes concedidos pelos empregadores. Mais de 1,5 milhão de brasileiros deixaram os planos de saúde nos últimos 12 meses.

Para discutir este panorama, a PROTESTE reunirá especialistas brasileiros e do exterior no próximo dia 30 de agosto, em São Paulo, no XIV Seminário Internacional PROTESTE de Defesa do Consumidor. Veja detalhes do programa  no link: www.seminario.proteste.org.br. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail: seminario@proteste.org.br.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS
Publicidade sidebar

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS