Agora, o pelo de rato é na geleia

Depois da polêmica dos pelos de ratos nos molhos e extratos de tomate, o produto da vez é uma geleia. Agora, além dos restos de camundongo, encontraram outras “coisinhas indesejáveis”

Shutterstock

Após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) encontrar pelo de rato em molhos e extrato de tomate em testes feitos em laboratórios, agora foi a vez de restos de animais serem identificados em geleias de morango. E, ao que tudo indica, a situação é bem pior que o caso do rato na macarronada, que você já viu na CM.

O nome da vez é a geleia PIA, um produto produzido pela Cooperativa Agropecuária Petrópolis, com sede no Rio Grande do Sul. Segundo informação foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, a Anvisa proibiu a comercialização do lote número 2 (validade: 19/11/2016). O laudo emitido pelo Laboratório de Saúde Pública de Santa Catarina detectou micélio de fungo (fungo filamentoso), presença de duas larvas mortas (matéria estranha indicativa de falhas das boas práticas) e pelo de roedor inteiro (matéria indicativa de risco acima do limite máximo de tolerância pela legislação vigente).

A Anvisa determinou ainda que a empresa recolha o estoque existente no mercado relativo ao lote da geleia. Em nota enviada a Agência Brasil, a Cooperativa informou que o problema já havia sido detectado antes mesmo da decisão da Anvisa e que o lote foi totalmente recolhido do mercado no dia 25 de maio.

Ainda segundo o comunicado da proprietária da geleia, a origem do problema é a própria matéria-prima utilizada na produção da geleia. “Os animais entram em contato com o fruto nas lavouras, no momento da colheita, antes de sua transformação na indústria. Durante o processamento na indústria, que atinge temperaturas altas, são eliminados os microrganismos, mas as matérias estranhas que estão na matéria-prima podem permanecer”.

“A Cooperativa Agropecuária Petrópolis vai intensificar o treinamento e o monitoramento de boas práticas dos produtores de morangos para as próximas safras”, concluiu a nota.

Tolerância

O assunto traz à tona a discussão sobre a tolerância da Anvisa quando o assunto é a presença de fragmentos de animais mortos. A CM discutiu o assunto há algum tempo e o curioso é que a agência reguladora permite três pelos de ratos. Os detalhes você pode conferir na nota da CM AQUI

 

 

 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS