Roubo de identidade: o que é e quais danos causa à vítima

Você sabe o que outras pessoas podem fazer se tiverem posse da sua identidade? Veja por que é preciso ficar atento

GlebStock/ Shutterstock

Um belo dia, você entra na sua página do banco e descobre que seu dinheiro não está mais lá. Ou vai tentar fazer uma compra e descobre que seu cartão de crédito está sem limite. Ou seu nome negativo. E, em todas essas opções, não fez nada para chegar a essa situação.

Quando vai pesquisar a fundo, foi vítima de um golpe: o roubo de identidade. Ele é caracterizado pelo uso indevido dos seus documentos, fotos e informações de contato, sem a sua autorização. Existem quadrilhas especializadas em extrair esse tipo de dado. Além dos prejuízos financeiros, as informações das pessoas podem até mesmo ser vendidas na tal Deep Web. Por isso, o pessoal da Norton antivírus aconselha que os usuários fiquem atentos.

Como não percebemos os efeitos do golpe imediatamente, alguns acreditam que ele é menos perigoso ou que não fazem parte do público-alvo dos criminosos. “Muitas pessoas não têm o costume de verificar suas contas bancárias com frequência e conferir o extrato de seus cartões de crédito. Porém, esses são práticas simples para identificar que a pessoa foi vítima deste golpe”, diz Nelson Barbosa, engenheiro de segurança da Norton.

A empresa listou abaixo o que os criminosos podem fazer usando identidades roubadas:

• Comprar ou contratar serviços: com o cartão de crédito da vítima, o criminoso pode comprar produtos e/ou contratar diversos serviços;

• Roubar as economias: com as credenciais de acesso do Internet Banking, cibercriminosos podem resgatar e sacar o saldo de investimentos ou da poupança;

• Solicitar cartões de crédito e abrir contas em bancos: para maximizar o ganho financeiro, é possível ainda solicitar cartões de crédito e abrir contas correntes usando os dados das vítimas. Basta confeccionar os documentos falsos e usar uma pessoa, chamada de “mula”, para comparecer pessoalmente ao banco;

• Comprar um celular: Obter um celular novo usando o nome e dados de outra pessoa é uma ótima forma de continuar cometendo crimes e não ser rastreado pela polícia;

• Comprar uma casa ou se candidatar para um emprego: Criminosos podem utilizar a identidade de alguém para comprar imóveis e até se candidatar a empregos, já que se costuma investigar a ficha do aplicante durante estes processos;

“Em casos piores, os criminosos podem cometer algum delito capaz de sujar o nome da vítima, sem ela saber. Por isso, é recomendado que os usuários verifiquem suas contas bancárias com frequência, que fiquem atentos a cobranças e correspondências não esperadas e que nunca forneçam seus dados pessoais a pessoas ou sites duvidosos. Caso suspeitem ter sido alvo de um crime, devem reportar imediatamente à polícia”, explica Barbosa.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS