O que será que os Millennials pensam sobre promoções?

Estudo mostra a opinião do público jovem, também chamado de Millennials, diante das promoções realizadas pelas empresas. Será que a estratégia funciona?

Por: - 3 anos atrás

Olena Yakobchuk/Shutterstock

Os jovens que hoje têm entre 18 e 30 anos passaram por um período positivo da economia. Os mais jovens nem mesmo sabem o que foi a crise financeira que aconteceu antes da implantação do Plano Real. Assim, a crise que o Brasil está vivendo é novidade para muitos. Não por acaso, um estudo realizado pela Bullet, aponta que esse público – que pode ser identificado como Millennials – quer que as marcas apresentem promoções que amenizem as dificuldades decorrentes da crise financeira.

A pesquisa, feita em parceria com a MeSeems com 1200 jovens de todo o país, detectou, antes de mais nada, que esse público é adepto a ações promocionais. Como mostra o estudo, 67% dos entrevistados disseram já ter participado de uma dessas iniciativas. Porém, o engajamento desses jovens depende da mecânica e, principalmente, do prêmio.

Em época de recessão econômica, quando 24% desses jovens estão desempregados (7% a mais em comparação ao mesmo período de 2015), é o prêmio em dinheiro o mais desejado. Como mostra o estudo, 40% dos entrevistados quer dinheiro. Com 22% das respostas, bens materiais como casa e carro vêm em segundo lugar. Em terceiro, e talvez o que mais diferencie esse público dos demais, estão os prêmios em viagens ou serviços de entretenimento, alcançando 20%.

De acordo com a gerente de planejamento da Bullet, Janaina Navarrette, com o poder de compra diminuindo, o primeiro item a ser cortado do orçamento dos Millennials é o entretenimento. E é exatamente por isso que surge o desejo de que as marcas os ajudem a enfrentar esse momento desafiador da economia, assim não precisam abrir mão daquilo que gostam de fazer.

“A Bullet vem estudando muito esse jovem para ajudar marcas a criarem uma relação de confiança e a trazerem relevância em suas promoções”, comenta Janaina. “É preciso se colocar no lugar desse público para entender esse universo”.

Nesse sentido, ela aponta que a estratégia ideal é falar a língua desse jovem – sem exageros, é claro -, entender que o tempo deles é diferente e que os canais são diferentes. “E pensar diferente pode ser legal. Nos faz olhar além, criando novas formas, mecânicas, linguagens e produtos”, completa.