Pessoas que transformam ideias em realidade

Durante Conarec 2016, empreendedores contam como fizeram seus projetos sociais virarem negócios rentáveis

Empreendedores contam como tiraram seus projetos do papel

Em sua edição 2015, o Conarec promoveu um debate que chamou de “Mentes maravilhosas“, reunindo empreendedores e profissionais de diferentes áreas do conhecimento para discutir o ambiente da inovação no Brasil. A recepção foi tão positiva que, na edição deste ano, o congresso resolveu fazer um novo painel inspirado no mesmo formato. “Mentes maravilhosas II” reuniu empreendedores de diferentes áreas mas que, em comum, têm o trunfo de terem transformado a vontade de melhorar algo na sociedade em um negócio monetizado e escalável. Com mediação do psicanalista Jorge Forbes, sócio-diretor da consultoria de comportamento Traduzindo o Futuro (ToF), cada um deles contou sua pouco da sua história e de como transformar ideias em realidade.

Samir Iásbeck. CEO e fundador da Qranio
A Qranio é uma desenvolvedora de aplicativos e jogos digitais voltados para o aprendizado e fixação de conteúdos. O principal deles, disponível no site e nas lojas virtuais para download gratuito, funciona como um quizz em que o usuário pode jogar com temas como biologia, química, física, matemática e outras disciplinas. Conforme avança, o jogador ganha pontos que podem ser trocados por prêmio reais. Desde que botou o projeto no ar, Iásbeck passou também a ser procurado por grandes empresas para ajudá-las a passar de forma mais leve e interessante aos funcionários práticas até então difundidas por meio de apostilas e PPTs. Bradesco, Bobs e Magazine Luiza são alguns dos clientes. “Desde pequeno eu sempre odiei estudar mas amava aprender, e por isso a ideia de buscar um jeito de passar aprendizado de uma maneira que fosse divertids”, contou Iásbeck, que compara seu aplicativo a uma espécie de “Candy Crush” com o qual, ao mesmo tempo em que se distrai, a pessoa também aprende algo de útil.

Natália Leite, co-fundadora da Escola de Você
A Escola de Você é um projeto criado pelas jornalistas Natália Leite a Ana Paula Padrão com o objetivo de ajudar mulheres a trabalharem seu auto-estima ao mesmo tempo em que aprendem a empreender. A estrutura é baseada em vídeos curtos online, diários, que podem ser acompanhados gratuitamente no site da inciativa e que falam dos mais variados assuntos referentes ao mundo feminino e dos negócios – empreendedorismo, relacionamentos, família e outros. “Nosso foco é ajudar mulheres a saírem da confusão que é a vida delas e buscar simplicidade na resolução dos seus problemas, seja no sentido de abrir um negócio mesmo ou simplesmente ter uma postura mais empreendedora na vida”, explicou Natália, que aprimorou a ideia a partir de trabalhos voluntários que já fazia em grupos de ajuda para mulheres. “Nossa sociedade ainda tem uma lacuna histórica de gênero, muitas mulheres têm problemas no dia a dia e de auto-estima, e vi que podíamos encontrar uma forma de ajudá-las”. Hoje, a Escola de Você é também procurada por diversas empresas para fazer versões de seus vídeos voltadas para a formação de suas funcionárias, caso de parceiras como Unilever e Boticário.

Adriana Gryner, presidente da Temquemqueira
Adriana é uma publicitária que sempre trabalhou com a organização de eventos e, por meio de seu trabalho, percebeu que a quantidade de materiais descartados nesses lugares era enorme. Incomodada com isso, começou a procurar formas de reduzir ou reaproveitar todo este lixo, e foi assim que nasceu, em 2008, a Temquemqueria, uma ONG que reutiliza as lonas sem uso dos grandes eventos para confeccionar diversos tipos de artigos para o comércio, como bolsas, estojos e artigos de decoração. Além disso, essa confecção é feita por presidiários e moradores de comunidades pacificadas do Rio de Janeiro, capacitados pela própria ONG, o que, ao mesmo tempo em que reduz o impacto ambiental, ajuda estas pessoas a gerarem renda e se reintegrarem à sociedade. “A lona vinílica é o resíduo que mais se repete neste eventos, é extremamente nociva e não tem uma política de descarte própria no país”, contou Adriana. É o material usado em banners, paineis, fachadas e estandes. No ano passado, por exemplo, a Temquemqueira foi contratada para recolher os 15 mil metros quadrados de lona usados no Reveillon de Copacabana e os transformou em estojos que foram distribuídos aos alunos da rede pública da capital. “Foi uma forma que encontramos de fechar o ciclo do produto ao mesmo tempo em que oferecemos uma oportunidade de recomeço na vida destas pessoas.”

Alessandro Saade, fundado da Empreendedores Compulsivos
O administrados de empresas Alessandro Saade trabalhou por mais de vinte anos dando consultoria de negócios para grandes empresas e participando na criação de novas. A certa altura, resolveu transformar isso num projeto de vida, e foi assim que nasceu a Empreendedores Compulsivos, uma rede de apoio a startups e pequenos negócios. Na outra ponta, a Empreendedores Compulsivos faz também a ponte com grandes companhias interessadas nas pequenas como fornecedoras ou clientes, e é daí que vem o sustento que mantém o projeto de pé. “Ajudamos essas corporações a encontrarem o que precisam, enquanto que, quanto mais ajudamos as pequenas a cresceram, mais temos o que oferecer e mais nós mesmos crescemos”, explica. “Quando eu estudei administração, nos anos 90, aprendíamos que tínhamos que ter os melhores talentos conosco e garantir a nossa matéria-prima mesmo que faltasse para o concorrente. Hoje isso não faz mais sentido, a economia é colaborativa. Eu só cresço se o outro crescer. E é isso o que fazemos.”

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS