A força do engajamento dos youtubers

Alguns canais do YouTube superam de longe o número de seguidores de grandes empresas. Um canal com grande potencial para um novo tipo de relacionamento

Fernando zuanon

Um tema fundamental para as empresas tem um grande aliado: o YouTube pode ser o mais puro relacionamento com clientes, aponta Cris Catupiry, VP de planejamento da Digital Stars. Um dos grandes protagonistas da atualidade criados com o desenvolvimento da internet, os youtubers conhecem muito bem o seu público, geram conteúdo personalizado de acordo com suas preferências e acompanham de perto todo o engajamento gerado por seus vídeos – um solo fértil para a comunicação das marcas.

“É importante que as marcas dialoguem com os youtubers, eles são pessoas e não mídias. O conteúdo precisa ser planejado e alinhado com o canal de cada um deles”, explica Catupiry.

Na visão de Enrique Coimbra, youtuber e escritor do canal Enrique sem H, essa é a parte mais difícil. “Precisamos fazer o empresário entender que estamos lidando com pessoas e não robôs. Não posso fazer qualquer campanha e trazer para dentro do canal só porque tenho público, ele não vai assimilar qualquer coisa desalinhada com o que eu faço”, explica. É preciso formatar conteúdos que toquem o público específico de cada youtuber.

Nesse sentido, Nath Arcuri, fundadora e diretora do canal Blog Me Poupe!, conta que, quando iniciou seu projeto, deu sorte de fechar uma parceria com uma empresa jovem disposta a apostar em conteúdos diferentes. “Quem faz a campanha não é mais só a equipe de marketing, tudo precisa ser feito em conjunto com o youtuber e a marca senão não vai vingar. O que as empresas não podem perder é a essência do que fazem”, diz. “Eu sinto do lado das agências uma resistência muito grande porque realmente é uma quebra de paradigma. Quando você entrega a campanha para a mídia tradicional, ela vai pronta. De repente, chegam pessoas que fazem vídeos e controlam o que sai”, avalia.

Assim, a blogueira entende que, se existe sucesso naquilo que os youtubers fazem, precisa existir um reconhecimento do outro lado – e confiança para criar a parceria.

Outra maneira

Mohamad Hindi, youtuber do canal Mohindi, chama atenção para o fato de que existe uma tendência muito forte no mercado hoje no sentido de o consumidor escolher o seu próprio conteúdo. “A nova geração quase não assiste mais TV. O que eu ouço muito é que, quando você liga a televisão, é bombardeado por um monte de conteúdo que não estava procurando. No YouTube não é assim, você assiste apenas aquilo que procura”, é uma grande mudança de comportamento.

A grande oportunidade é que uma campanha para YouTube nunca é igual a outra, lembra Catupiry. “Cada empresa escolhe o youtuber com o melhor perfil para o seu público e muitas possibilidades existem ai”, analisa. Já existem no mercado diversas agências especializadas em influencers que podem auxiliar as organizações nesse sentido – tanto para a escolha quanto para o contato.

Mohindi lembra que, no momento dessa escolha, é importante que as empresas não se apeguem a números de inscritos nos canais, existe algo acima de números quando falamos de youtubers: engajamento – número de comentários, o sentimento dos comentários (positivos e negativos), número de visualizações dos vídeos, métricas qualitativas.

Para todos

Caio Blinder, jornalista e apresentador do Programa Manhattan Connection, teve participação especial no painel e questionou algo muito importante aos youtubers: as novas gerações realmente são mais conectadas e antenadas nos meios digitais, mas como engajar gerações como os baby boomers?

Para os youtubers, unanimemente, esse será um movimento que se ampliará com o tempo, já que muitos pais aprendem com as novas gerações, por exemplo, e vão abrindo o caminho para esse “mundo novo”. “Precisamos lembra que o YouTube é uma ferramenta de busca então a forma mais fácil de engajar todos os usuários é chamando a atenção de pessoas com dúvidas”, complementa Coimbra.

Afinal, investir em youtuber dá dinheiro?

Catupiry recorda que, há algum tempo, o público youtuber não aceitava quando surgiam conteúdos patrocinados. Com o tempo, porém, essa percepção mudou e hoje os seguidores ficam entusiasmados quando percebem que uma marca está apoiando aquele youtuber de sua preferência. É um engajamento diferente, que traz significado. Ao mesmo tempo, algumas marcas estão investindo em produtos licenciados para os youtubers – como a Panini, com álbuns de figurinhas, e a Jandaia, com cadernos específicos.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS