Rotatividade de funcionários no varejo atinge quase 40%

Índice foi verificado em 2015, segundo apurou o Ranking NOVAREJO Brasileiro 2016. Apesar de alto, número pode subir ainda mais. Entenda

Henrik Jeppensen

Um dos maiores problemas enfrentados pelo varejo nacional é o da rotatividade (ou turnover): o velho “entra-e-sai” de funcionários. O movimento é danoso para qualquer setor. Primeiro por conta dos custos: tanto a entrada, quanto a saída constante de funcionários envolve recursos. Segundo porque quando um funcionário sai, é um conhecimento que a empresa perde. E leva-se tempo, e mais recursos, para que outro funcionário alcance o mesmo nível de conhecimento daquele que saiu.

Como ainda é visto como um setor de primeiro emprego, o varejo tem um alto porcentual de perda de funcionários. Segundo o Ranking NOVAREJO Brasileiro 2016, esse porcentual foi de 38,5% em 2015.

“Um alto índice de rotatividade implica maiores gastos trabalhistas e, também, com treinamento de novos colaboradores contratados. Por esse motivo, as empresas buscam manter baixo o índice de turnover, o que nem sempre é fácil”, afirma Eduardo Bueno, economista e analista do CIP – Centro de Inteligência Padrão, que conduziu o Ranking, em parceria com a Serasa Experian e o Insper.

O índice já é alto, mas promete aumentar. “Pode-se sugerir que este número aumentará, visto que a crise econômica em curso tem ceifado empregos e derrubado o desempenho varejista”, afirma Bueno.

O porcentual de rotatividade é alto, apesar do investimento do setor em treinamentos. Em 2015, as empresas varejistas investiram, em média, 1,05% do seu faturamento líquido em treinamento.

E os investimentos devem ser cada vez maiores. Segundo o estudo, o desenvolvimento e treinamento dos funcionários é a principal prioridade do setor para o crescimento futuro: 89,7% das empresas contempladas no Ranking deste ano afirmaram que o item é prioridade.

Em relação a 2014, houve crescimento de 2,8% no quadro de funcionários das empresas varejistas. Apenas nas lojas, a variação do número de funcionários foi de 1,9%.

Para tentar reter a mão de obra, o varejo investe em benefícios como auxílios, plano de saúde, cursos e seguros, conforme detalhado abaixo.

CIP - Centro de Inteligência Padrão

CIP – Centro de Inteligência Padrão

Acesse o Ranking NOVAREJO Brasileiro 2016 e tenha em mãos a publicação mais completa e analítica do setor.

[contact-form-7 404 "Not Found"]





ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS