O capital humano como diferencial competitivo

Veja cinco características de um treinamento moderno e conheça a Learning Tribes, The #EdTech Company, uma empresa que ajuda organizações na sua evolução estratégica

shutter

É fato que a tecnologia transformou empresas e modificou o comportamento do consumidor. No entanto, se hoje ela é parte essencial do escopo de qualquer organização, o reconhecimento do capital humano se tornou um dos principais diferencias competitivos nos negócios.

Para corroborar essa afirmação, conversamos com Pierre-Jean Quetant, country manager da Learning Tribes, empresa de treinamento do Grupo Acticall. Há três anos no Brasil, a Learning Tribes é um grupo internacional de treinamento que oferece soluções de aprendizagem para apoiar todos os indivíduos no desenvolvimento de suas habilidades e cada organização na sua evolução estratégica.

“A Learning Tribes nasceu há 11 anos na França, quando seu fundador Philippe Riveron percebeu a falta de treinamento no mundo do CRM em que agentes de contato e supervisores eram deixados de lado diante dos incentivos e  da capacitação nas áreas de força de vendas”, conta Pierre-Jean Quetant.

De lá para cá, guiados pelos desafios de negócios de seus clientes, a Learning Tribes desenvolveu suas competências e soluções e se especializou através de quatro vertentes de atuação: Learning CRM: especialista no relacionamento com o cliente; Learning Up: focada no treinamento de lideranças; Learning by Mooc: área que trabalha com um novo formato de ensino à distância colaborativo e gamificado e o My Mooc: uma plataforma que ajuda no complemento do treinamento com conteúdos já disponíveis de forma aberta.

“Em comparação com o e-learning clássico, somos mais que um fornecedor de treinamentos, somos uma empresa de consultoria estratégica” – Pierre-Jean Quetant

Comunicar para engajar melhor

A globalização impulsionou não apenas a comunicação entre pessoas comuns, mas também entre marcas e consumidores. Nesse ponto, Pierre-Jean Quetant, explica que “desenhar os percursos presenciais e digitais, capazes de trazer análises profundas sobre os públicos, até mesmo o que sua força de venda pensa do seu produto, beneficia a comunicação e competências diretamente ligadas ao relacionamento com o cliente dentro das organizações”.

“Em comparação com o e-learning clássico, somos mais que um fornecedor de treinamentos, somos uma empresa de consultoria estratégica, integrando uma variedade de ferramentas e métodos, e entregado soluções assertivas qualquer que sejam os requisitos de nossos clientes”, diz Pierre-Jean Quetant.

 Desafios e oportunidades

De acordo com Pierre-Jean Quetant, o mercado brasileiro vive um momento muito propício para investimentos em capacitação e treinamento. “O mercado começa a enxergar as vantagens do treinamento de uma maneira transversal e omnicanal, pelo qual impacta desde seus colaboradores até o cliente final, bem como seus parceiros de negócios como revendas e autorizadas. A impressão é de que as empresas estão despertando para a importância da capacitação e personalização de todos os pontos de contato com os consumidores para alinhar as expectativas dos clientes em termos de experiência de marca”, pontua.

Para ele, o grande valor da capacitação moderna é “engajar e capacitar em cima de competências que fazem sentido para as empresas, seus colaboradores e seus clientes”. “Hoje, um ponto-chave sobre treinamento é o ownership: garantir autonomia e poder de decisão do indivíduo. Isso traz agilidade e segurança para empresas e um benefício personalizado para o consumidor”, conclui.

 Cinco características de um treinamento moderno

  1. Globalidade: pensar transversal e adequar capacitação aos objetivos estratégicos da empresa, envolvendo todos os departamentos dentro de um ambiente multicultural.
  2. Assertividade: idealizar percursos e aproveitar cada modalidade de forma coerente para que ela faça sentido para o público alvo e os requisitos do projeto.
  3. Inovação: o Digital Learning Colaborativo apoiando treinamentos clássicos, para criar táticas de blended learning favorecendo um retorno sobre investimento mais rápido e sustentável.
  4. Engajamento: comunicar com participação ativa de todos, da forma mais imersiva possível e com benefícios claros em termos de empregabilidade.
  5. Experiência: treinar deve ser prazeroso! Colocar como requisitos as noções de conforto, de atividades lúdicas, de surpresa para criar uma verdadeira experiência de aprendizagem

 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS