Conheça a plataforma do “Quer pagar quanto?”

Conhece o Fliig? Trata-se de uma plataforma de pechincha (ou o famoso “quer pagar quanto?”) para compra e venda de produtos. A novidade completou um ano e com novidades

Por: - 2 anos atrás

Shutterstock

Seria ótimo poder escolher um produto e ter a opção de escolher o quanto quer pagar por ele. Essa é a proposta do Fliig, plataforma de compra e venda online, que completou um ano de operação em setembro e faz um balanço positivo do negócio no período.

A proposta é que por meio da plataforma o consumidor possa informar o que pretende comprar e negociar o valor diretamente com o fornecedor. De acordo com a idealizadora e diretora executiva da plataforma, Silvia Marinho, as compras podem ser feitas de forma individual ou coletivamente.

Segundo Silvia, a startup possui uma base de aproximadamente 1500 usuários, entre consumidores e fornecedores, e já intermediou diversas comercializações, incluindo a negociação de um carro feita inteiramente online.

Depois deste ano, a startup entra em uma nova fase. “Estamos colocando no ar algumas novidades que têm o objetivo de tornar a ferramenta mais interativa e simplificada para que o usuário tire o máximo de proveito da plataforma”, afirma Silvia. Segundo a diretora, entre as mudanças estão: a disponibilização de um contato via SMS, chat interativo e a possibilidade de o consumidor “cutucar” o fornecedor para incentivá-lo a enviar ofertas e iniciar uma negociação. “Para as compras em grupo, feitas algumas atualizações para que os usuários de fato se juntem para obter mais facilidade na hora de negociar”, afirma Silvia.

Para os fornecedores, foi incluída uma modalidade de oferta e rodadas de negociação automática, com o objetivo de deixar a ferramenta com mais inteligência tecnológica e evitar o uso de ofertas manualmente, embora essa opção ainda exista. Silvia acredita que o atendimento ao consumidor, conversar e negociar com ele, ainda é o que faz a diferença.

Silvia afirma que o balanço desse primeiro ano é positivo. “Embora nós esperássemos uma adesão maior por parte dos consumidores em relação aos fornecedores, a realidade nos mostrou o contrário”, avalia a executiva. Segundo ela, a meta para cadastro de fornecedores foi superada e o número de consumidores cadastrados permaneceu dentro da média planejada. Silvia acredita que por se tratar de uma de mudança de cultura, ainda há um caminho longo pela frente. “Mas percebemos que quando os consumidores e fornecedores compreendem os benefícios que o Fliig oferece, o interesse é imediato”, finaliza Silvia.