43% dos CEOs brasileiros querem fazer parcerias com startups

Pesquisa da PwC mostra o nível de otimismo dos executivos do País em relação a 2017 e revela algumas estratégias. Confira

Pesquisas de mercado já mostravam o crescimento do otimismo dos empresários brasileiros. O estudo anual da PwC com CEOs de 79 países, incluindo o Brasil, reforçou esse otimismo. No País, 57% deles esperam crescimento nos próximos dois meses – o número é quase o dobro dos 24% registrados no ano passado.
“O aumento do grau de confiança dos executivos brasileiros está bastante relacionado às perspectivas de retomada econômica do país”, disse, em nota, Fernando Alves, sócio presidente da PwC Brasil. “Mas aspectos menos positivos, como a carga tributária e a necessidade de investimentos em infraestrutura, continuam a ser fonte de preocupação para o empresariado”, considerou.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
A pesquisa deste ano, contudo, revelou pontos interessantes. Nessa estratégia de crescimento, 43% dos CEOs brasileiros consideram fazer parcerias com startups – empresas nascentes, que apresentam soluções inovadores a velhos problemas, normalmente de base tecnológica, e com alto potencial de crescimento.
O resultado brasileiro é maior do que a média mundial, de 28%. A estratégia para ampliar resultados envolve ainda redução de custos, para 86% dos brasileiros e 62% dos líderes globais. A formação de alianças estratégicas está no escopo de 62% dos CEOs brasileiros e de 48% dos líderes globais.
Para crescer, os CEOs também têm no escopo investimentos em fusões e aquisições: 45% estão de olho nessa estratégia. Apesar de pensar em aquisições, 90% dos executivos brasileiros apostam que a expansão dos negócios nos próximos 12 meses se dará por meio de crescimento orgânico.
Muros do crescimento
A pesquisa os principais desafios que atrapalham o crescimento dos negócios, segundo os CEOs: 88% deles citaram o excesso de regulação, 86% o aumento da carga tributária, 81% citaram a falta de infraestrutura.
Também há temores em relação a outros aspectos que podem representar dificuldades para a expansão das empresas, como a falta de profissionais com competências-chave, mencionada por 69% dos executivos brasileiros, a velocidade dos avanços tecnológicos, citada por 64%, e a entrada de novos concorrentes, mencionada por 55%.
“Embora os CEOs estejam mais confiantes com as perspectivas de crescimento, eles revelam três principais preocupações: a adoção de estratégias de gestão de pessoas e de tecnologia para formar profissionais adaptados à era digital; a preservação da confiança nos negócios num ambiente de crescente interação virtual; e o maior engajamento da sociedade na busca de soluções colaborativas, para que a globalização beneficie a todos”, destacou, na pesquisa, o chairman global do Network PwC, Bob Moritz.






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS