Sinal de alerta no ensino superior privado no Brasil

A Accenture Brasil realizou um estudo sobre o ensino superior privado no país. O resultado é preocupante e sugere o investimento em tecnologia para evitar a evasão de alunos

Por: - 3 anos atrás

Shutterstock

Uma análise de cenário da Accenture sobre a indústria de Ensino Superior privado no Brasil indica que, para não perder mais valor de mercado, o segmento teria que gerar cerca de R$ 370 milhões de lucro econômico adicional por ano, nos próximos 10 anos. Para isso, indica o relatório, o setor precisará aumentar sua margem cerca de 3% ao ano e suas receitas cerca de 7,8% ao ano, até 2027.

Ao realizar o diagnóstico, a Accenture analisou fatores como nível de investimento, destinação e administração dos recursos, modelo educacional e de financiamento público, governança, atratividade para investimentos privados, alinhamento do atual modelo de educação à nova geração, entre outros. Segundo a consultoria, um dos investimentos com maior retorno na indústria de educação é a tecnologia, que tem permitido a criação e execução de novos métodos de ensino e de educação on-line, ao redor do mundo.

“O setor está sendo transformado de forma rápida e a tecnologia é o principal direcionador. Essa ferramenta ajuda a alavancar o ensino e a reduzir a evasão”, diz Jorge Freire, diretor executivo e líder da Indústria de Educação na Accenture.

De acordo com o relatório, apesar de já predominantemente privado, o segmento de educação superior ainda é pouco consolidado no país e a demanda é crescente, o que sugere oportunidades de investimento. Para a Accenture, a indústria deve estruturar uma agenda focada na captação de alunos, no controle da evasão e na gestão de crédito e da inadimplência, que seriam alguns dos maiores gargalos do setor hoje no país.

“O rápido crescimento da indústria de educação no Brasil exige esforços de integração e sinergia para que os ganhos de escala sejam bem rentabilizados”, afirma Freire.