Vendas da Hering caem quase 9% em 2016

O varejo da Cia. Hering registrou recuo também no critério “mesmas lojas” no ano passado. Confira o resultado de vendas da companhia

As vendas da Hering Store caíram 8,9% no ano passado, segundo divulgou a companhia. O resultado reflete as vendas das lojas próprias e franquias da Cia. Hering.
Até no critério “mesmas lojas”, aquelas abertas há mais de 12 meses, houve retração, de 8,6% no ano.
Considerando o quarto trimestre de 2016, o varejo da Cia. Hering também sofreu: o recuo nas vendas foi de 11,6%, em relação ao mesmo período do ano anterior. No critério “mesmas lojas”, o quarto trimestre caiu 9,8%.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
Esse recuo, segundo a companhia, deve-se a concentração de reformas no período, que resultou no fechamento temporário de diversos pontos de venda.
No ano passado, a empresa priorizou o plano de reformas, que contemplou 100 pontos de vendas em 18 Estados do País. Ao todo, foram R$ 8,4 milhões em investimentos feitos pela própria empresa.
A empresa encerrou o ano com seis lojas a menos, em relação a 2015: 834 operações. O número é resultado do fechamento de 32 unidades e da abertura de 26 lojas no ano passado. No Brasil, são 816 operações e outras 18 unidades no exterior.
Considerando a receita bruta total da Cia. Hering, que considera também a indústria da empresa, a retração em 2016 foi de 8%, totalizando R$ 1,7 bilhão.
No último trimestre do ano, a queda foi de 15,3%. “Em adição aos efeitos negativos do cenário macroeconômico que afetaram encomendas de franquias e multimarcas, houve, neste trimestre, queda mais acentuada nas vendas às franquias devido ao maior volume faturado em setembro, a este canal, da coleção Alto Verão”, explicou a empresa em relatório.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS