O mercado global está enfrentando desafios

A conclusão é do Índice de Conectividade Global produzido anualmente pela DHL. Entenda o quadro e confira os países mais conectados do globo

Legenda: corte de carne é exemplo de alimento minimamente processado. Imagem: Shutterstock

Como estão as relações globais? A quarta edição do Índice de Conectividade Global (GCI), da DHL, mostra que a conectividade global, medida pelos fluxos transfronteiriços de comércio, capital, informações e pessoas, superou, durante 2014, o pico pré-crise de 2007. Em 2015, a expansão pós-crise da globalização desacelerou, mas os dados indicam que ela não entrou em recessão. As evidências atualmente disponíveis – ainda preliminares em algumas áreas – sugerem que o mundo estava cerca de 8% mais conectado em 2015 do que em 2005.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
No relatório de 2016, o pilar de informações – medido pelo tráfego internacional da internet, pelos minutos de chamadas telefônicas e pelo comércio de publicações impressas – apresentou o maior crescimento no período de referência (de 2013 a 2015). Os ganhos nos fluxos de capital e pessoas foram mais modestos, enquanto que a diminuição na proporção de mercadorias comercializadas entre fronteiras – que começou em 2012 – acelerou em 2015.
“A globalização tem atuado como o motor do progresso no mundo ao longo dos últimos 50 anos”, comentou o CEO do Grupo Deutsche Post DHL, Frank Appel. “O GCI documenta que a globalização finalmente se recuperou da crise financeira, mas enfrenta um futuro incerto. É essencial que os responsáveis pela formulação de políticas e líderes empresariais apoiem um ambiente em que a globalização possa continuar a florescer e melhorar a vida dos cidadãos em todo o mundo”.
A pesquisa sobre o GCI foi conduzida pelo especialista em globalização, Pankaj Ghemawat, que destacou como as economias emergentes ainda estão atrasadas em termos de conectividade global. “As economias mais avançadas estão cerca de quatro vezes mais profundamente integradas nos fluxos internacionais de capital, cinco vezes mais nos fluxos de pessoas e nove vezes em relação aos fluxos de informações”, explica. O GCI também destacou que, se as economias emergentes se tornarem mais semelhantes às economias avançadas em termos de seus níveis de conectividade, isso proporcionaria um poderoso impulso aos índices gerais de conectividade.
Rede
O estudo também documenta uma crescente proporção de tráfego de internet cruzando as fronteiras nacionais, mesmo que o comércio internacional e os fluxos de informações tenham retardado seu potencial.
“Isso ressalta a enorme margem disponível para o comércio eletrônico internacional impulsionar as atividades empresariais e expandir as opções disponíveis aos consumidores em todo o mundo”, destaca Jürgen Gerdes, CEO da Post – eCommerce – Parcel do Grupo Deutsche Post DHL.
Os países mais conectados
O relatório também destaca o nível individual de conectividade de países e regiões. O índice classifica os países quanto à sua profundidade (intensidade dos fluxos internacionais) e amplitude (distribuição geográfica dos fluxos), que se combinam para formar uma pontuação de conectividade geral entre 0 e 100.
A Holanda alcançou o primeiro lugar no ranking como o país mais conectado do mundo, e a Europa foi mais uma vez classificada como a região mais conectada do planeta. Todos, exceto dois dos 10 países mais globalizados do mundo estão localizados na Europa, sendo Cingapura e os Emirados Árabes Unidos as únicas duas exceções.
A América do Norte é a segunda região o mais conectada do planeta, liderando nos pilares de capital e informações, com os Estados Unidos figurando como o país mais conectado das Américas. No geral, os EUA foram classificados em 27º lugar entre os 140 países medidos pelo GCI. A América do Norte teve o maior ganho geral de conectividade global nos últimos dois anos, seguida pela América do Sul, América Central e a região do Caribe. Os países da Ásia Central e do Sul e da África Subsaariana sofreram uma queda em seus níveis médios de conectividade global.
Suriname, Jamaica e Fiji foram os maiores ganhadores em termos de mudanças de classificação de 2013 a 2015, subindo respectivamente 23 (de 112º para 89º), 22 (de 107º para 85º) e 20 (de 94º para 74º) posições na classificação geral. A ascensão do Suriname foi impulsionada por um substancial alargamento de suas interações internacionais, enquanto Jamaica e Fiji aumentaram tanto a profundidade quanto à amplitude de seus índices de conectividade global. Nigéria, Togo e Nicarágua vivenciaram as maiores quedas em termos de classificação geral, caindo respectivamente 28 (de 67º para 95º), 21 (de 72º para 93º) e 19 (de 71º para 90º) posições na classificação geral.
indice-globalizacao-dhl






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS