Você trocaria dados pessoais por benefícios?

Mais de um terço dos brasileiros diz que não gosta da ideia. Veja os países mais e menos dispostos à exposição em troca de serviços melhores

Um terço dos brasileiros não gosta de dividir dados pessoais em troca de benefícios (Shutterstock)

Mais de um terço (34%) dos internautas brasileiros não estão dispostos a compartilhar suas informações pessoais em troca de benefícios como descontos, bônus ou serviços diferenciados. A informação é de uma recente pesquisa global da GfK realizada em 17 países. Os mais de 22 mil entrevistados indicaram, numa escala de 1 a 7 o quanto concordam ou discordam da afirmação: “estou disposto a compartilhar meus dados pessoais (saúde, finanças, trajetos, uso de energia, etc) para obter vantagens como descontos ou serviços personalizados”.

Na média global, 27% dos consumidores concordam, enquanto 19% discordam da afirmação apresentada. Na comparação entre os países, atrás da Alemanha (40%) e da França (37%), o Brasil é o terceiro país onde as pessoas se dizem menos dispostas a compartilhar suas informações pessoais para obter benefícios ou vantagens. Entre as mulheres brasileiras, os índices de discordância são ainda mais altos, chegando aos 37%.

Contraditoriamente, há uma parcela grande dos brasileiros que não se importa com a abertura de suas informações pessoais em troca de vantagens que possam melhorar os serviços a que têm acesso (26% dos entrevistasdos). Por esta ótica, o país é também um dos mais abertos, ficando em 5ª na lista.

Os consumidores chineses (38%), mexicanos (30%), russos (29%) e italianos (28%), são os que mais se dizem dispostos a compartilhar seus dados pessoais.

 

Você aceita dividir seus dados em troca de benefícios?
Create column charts

Com informações da Gfk

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS
Publicidade sidebar

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS