Ikea começa a vender tapetes feitos por refugiados

Gigante global de varejo de decoração e móveis começará a vender produtos feitos por sírios a partir de 2019. Ideia é criar empregos para essa população

Mais uma vez, a Ikea, gigante do varejo de decoração, móveis e produtos para casa, inova. Desta vez, ela não lançou nenhum novo comercial ou produto. É que a rede pretende vender a partir de 2019 tapetes feitos por refugiados sírios que vivem na Jordânia.
“A situação na Síria é a maior tragédia do nosso tempo,  e a Jordânia pegou a responsabilidade de abrigar esses refugiados. Nós decidimos olhar para dentro da Ikea e ver como poderíamos ajudar”, afirmou Jesper Brodin, diretor da Ikea, à rede CNN.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
A ideia é gerar 200 vagas de trabalho para refugiados sírios que foram acolhidos pela Jordânia, principalmente mulheres. A ideia, segundo disse a empresa, é trabalhar com organizações que atuam localmente com as mulheres sírias, para garantir que elas tenha horário flexível para cuidar de suas famílias.
A ideia da varejista é vender os produtos feitos pelos refugiados localmente e em mercados que têm acordos de livre comércio com a Jordânia a partir de 2019 e em edições limitadas.
Assim como outras marcas, a Ikea foi uma das que se posicionou claramente contra a decisão do presidente norte-americano Donald Trump de impedir a entrada de refugiados sírios no país.
Em nota, a varejista, que tem mais de 340 lojas em 28 países, disse: “Nós apoiamos os direitos fundamentais das pessoas e não aceitamos qualquer forma de discriminação”.
“Qualquer proposta de discriminação contra certos grupos de nossos consumidores e funcionários, ou que limita nossa capacidade de atrair e reter talentos diversos é problemática”, disse Lars Petersson, presidente da Ikea, segundo a CNN.
Esta não é a primeira vez que a companhia se preocupa com essas questões. A empresa já doou mais de 30 milhões de Euros para campos de refugiados. Além disso, criou, em 2013, abrigos pré-fabricados e fáceis de montar para refugiados na Síria.
Além disso, a companhia tem feito campanhas de causa sobre o tema. Como os abaixo, que mostra a campanha da marca para levar luz renovável para os campos de refugiados. Confira:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS