Anvisa proíbe a venda do novo queridinho do emagrecimento

O consumo de noz da índia para o emagrecimento virou moda no Brasil. Mas a Anvisa brecou o seu comércio em todo o país. Entenda

Shutterstock

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a fabricação, o comércio, a distribuição e mesmo a importação da chamada Noz da Índia e também do chamado Chapéu de Napoleão como ingredientes para medicamentos, alimentos ou qualquer outra forma de apresentação.

A decisão tem como base a relação comprovada de três mortes ocorridas no país recentemente e associados ao consumo de Noz da Índia, também chamada de Nogueira de Iguape, Nogueira, Nogueira da Índia, Castanha Purgativa, Nogueira-de-Bancul, Cróton das Moluscas, Nogueira Americana, Nogueira Brasileira, Nogueira da Praia, Nogueira do Litoral, Noz Candeia, Noz das Moluscas, Pinhão das Moluscas.

Abaixo, a noz da índia:

Testosterona.me/ reprodução

Testosterona.me/ reprodução

Também está proibida a distribuição e uso da planta “Chapéu de Napoleão” ou  “jorro-jorro” (Thevetia peruviana), cujas sementes se assemelham àquelas da planta “Noz da Índia”. Essas sementes, quando ingeridas, também são tóxicas e seu uso é proibido em diversos países.

A medida sanitária aplicada pela Anvisa ao consumo dessas sementes, em qualquer forma de apresentação, proíbe também a divulgação, em todos os meios de comunicação, de medicamentos e alimentos que apresentem estes insumos.

Abaixo, o chapéu de napoleão

natural joias/reprodução

natural joias/reprodução

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS