Lutar contra o preconceito também é entender o cliente

Em apoio ao empoderamento feminino, uma empresa de roupas íntimas começou uma campanha que ressalta a beleza da mulher real

Por: - 2 anos atrás

A mulher real, sem photoshop e sem preconceitos, é uma raridade da propaganda. Logo, identificação e representatividade são termos que, apesar de estarmos em 2017, na era das redes sociais, são quase lendas.
Porém, existem algumas empresas que estão preocupadas com empoderamento e seguem inovando de acordo com as demandas sociais e de gênero. Um exemplo disso é a atuação da Darling. A companhia, que comercializa roupas íntimas, desenvolveu a campanha “Mulheres Darling”.

 

Leia também:

GERAÇÃO BABY BOOMER, X, Y OU Z: ENTENDA ONDE VOCÊ SE ENCAIXA
PESSOAS NÃO GOSTAM DAS REDES SOCIAIS. ELAS FICAM POR MEDO
GERAÇÃO Z. MAS PODE CHAMAR DE CAMISETA VELHA

 

Nas redes sociais da marca, estrelada por mulheres com diversos biotipos, a campanha ressalta a beleza da mulher real. As imagens ficaram sob a responsabilidade de Ana Júlia Salim, uma fotógrafa com grande experiência no retrato feminino. A ideia era que o clima com as modelos fluísse naturalmente.

A Darling dará seguimento a essa campanha, procurando representar cada vez mais temas e mulheres que não são mostrados na mídia. Confira.

Histórico

Essa não é a primeira vez que a Darling se manifesta pelo empoderamento feminino. Há alguns anos, por meio de um abaixo-assinado promovido por Vera Golik, jornalista e escritora, a empresa topou desenvolver produtos para mulheres que passaram pelo câncer de mama, mastectomizadas.

Vera, por sua fez, se inspirtou em um projeto que existia nos EUA, direcionado a uma empresa específica, que propunha a criação de um sutiã nesses moldes. No país, a iniciativa não fez efeito. Mas inspirou a jornalista brasileira a promover o bem por aqui.