A proteção de dados feita pelas empresas, segundo os consumidores

A KPMG mediu a confiança de consumidores quando o assunto é a proteção de dados pessoais feito pelas empresas. O resultado é preocupante

Shutterstock

Mesmo com o desenvolvimento tecnológico da atualidade, a segurança digital ainda não deixa os clientes totalmente confiantes. Segundo um relatório da KPMG, apenas 10% dos consumidores de todo o mundo acreditam que têm controle sobre o modo como as empresas utilizam e gerenciam seus dados.

Essa realidade levanta outro dado importante: essa insegurança faz com que 55% dos entrevistados deixem de fazer compras online por se preocuparem com sua privacidade. “Não incorporar a privacidade ao DNA da estratégia de proteção cibernética de uma empresa pode resultar na extinção do negócio”, ressalta o sócio da KPMG e líder para serviços de segurança cibernética, Leandro Augusto Marco Antonio.

Para o executivo, é importante que as organizações saibam que o público, especialmente os millennials, valoriza mais a privacidade do que a conveniência no uso do canal de relacionamento. Principalmente aquelas que buscam os dados como fonte para estratégias de marketing e personalização de produtos ou serviços.

Confira os principais insights da pesquisa:

Fernanda Pelinzon/ arte

Fernanda Pelinzon/ arte






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS