Uma Nestlé que você não conhece

A Nestlé escolheu o Brasil para ser o primeiro país da América Latina a produzir rações úmidas, trazendo uma tecnologia exclusiva da empresa

Por: - 3 anos atrás

Shutterstock

Apesar de ser muito conhecida pelo desempenho no setor de Alimentos, a Nestlé faz parte de quatorze áreas de atuação. Entre elas, estão alimentos infantis, leite em pó, leite condensado, pet food. Ou seja, mais do que a dona de algumas marcas conhecidas pelo público, a Nestlé é líder em muitos dos setores. Prova disso é que, entre as 14 áreas em que está presente, é líder de mercado em dez. No caso de pet food, a companhia está em terceiro lugar. Apesar disso, não mede esforços e investimentos nesse segmento.

Prova disso é a ampliação da fábrica de Nestlé Purina, que aconteceu na cidade de Ribeirão Preto, localizada no interior do Estado de São Paulo. O espaço, que antes produzia apenas as chamadas rações secas, passou a produzir também as rações úmidas. O local se tornou, então, a primeira fábrica de Nestlé da América Latina capaz de produzir esses petiscos.

Olhando para a Nestlé como um todo, a ampliação da fábrica em questão destaca a forma como a empresa tem investido em inovação. Assim, como comenta Fernando Mercê, presidente da América Latina de Nestlé Purina, o espaço foi construído para ser capaz de exportar para a América Latina, além de contar com o que há de mais avançado em tecnologia.

Quem conhece sobre o setor ou tem animais em casa certamente já conhece esses produtos – que vem em sachês e conquistam o coração (e o estômago) dos bichos – e antes eram importados dos EUA ou da Europa.

Um bom país

É natural que a empresa faça questão de investir no Brasil. Afinal, de acordo com um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), temos a segunda maior população de pets do mundo: são 22,1 milhões de felinos e 52,2 milhões de cachorros.

Mesmo em tempos de crise, esse setor continuou crescendo. Em 2015, o mercado pet cresceu 18 bilhões. Nesse cenário, A Nestlé percebeu que valeria a pena apostar na ampliação da fábrica de Purina e investir R$ 270 milhões nesse empreendimento.

“Este é um momento muito especial, é a materialização de um sonho”, comenta Anderson Duarte, diretor-presidente da Nestlé Purina no Brasil, na inauguração da fábrica. “O dia de hoje é um marco, pois a Nestlé traz uma inovação de última geração para o mercado brasileiro, que é muito relevante para nós”.

Indústria sustentável

Além de inovadora, a nova fábrica da Nestlé colabora com o funcionamento da cadeira de produção, uma vez que 90% das matérias primas utilizadas são brasileiras. Os outros 10%, que não são daqui, são justificados pelo fato de não haver fornecedores responsáveis do ponto de vista sustentável e de disponibilidade. “O salmão, por exemplo, só pode ser obtido do Chile”, comenta Mercê. “Trabalhamos com fornecedores auditados pela Nestlé, para garantir que estejam alinhados com nosso ponto de vista de sustentabilidade”.

Questionado sobre a origem dos produtos aqui no Brasil e sobre as cobranças feitas em regulamentações de diferentes países, o executivo comenta que a Nestlé tem normas mais rígidas do que as dos países em que atuam. Isso garante que haja qualidade mesmo em países com regras mais leves. “Nós nunca faríamos algo inferior, nem aqui nem em outro lugar do mundo”, defende.

Veja as fotos da fábrica.

Anderson Duarte, diretor-presidente da Nestlé Purina no Brasil; Juan Carlos Marroquín, CEO da Nestlé Brasil; Laurent Freixe, vice-presidente Global da Nestlé e Head da Zona Américas; Fernando Mercê, presidente da América Latina de Nestlé Purina.
A fábrica de Purina localizada em Ribeirão Preto é a primeira na AL a produzir rações úmidas (esses sachês de comidinhas que os animais tanto amam!)
A fábrica conta com tecnologias únicas, desenvolvidas para Nestlé, capazes de garantir a qualidade do produto.