Todo dia é dia de feira

Fazer o supermercado online é uma comodidade tão grande para quem vive em cidades caóticas que este é um dos mercados digitais que mais crescem

Muitos mercados – se não todos – estão aos poucos fazendo a sua migração do modelo físico e tradicional para uma economia online e digital. Bancos, seguros, vestuário, viagens, caronas são algumas coisas que hoje já podem ser adquiridas e manejadas online.

De todas elas, porém, há uma que deve atingir a maturidade digital mais rápido que as demais: as compras de supermercado. Ao menos é esta a visão da Nielsen, que, no final do ano passado, iniciou um projeto de investigação do mercado de alimentos digital, em parceira à associação internacional de varejistas do setor Food Marketing Institute (FMI).

Pesquisas iniciais das entidades indicam que a compra de frutas, verduras, legumes e outros alimentos pela internet deve atingir a sua maturidade em menos de uma década nos Estados Unidos, o que à coloca em uma velocidade maior de migração que várias outras indústrias.

Em 2025, a expectativa é que 20% de todas as compras de alimentos sejam feitas por plataformas online, chegando a movimento US$ 100 bilhões ao ano. Para se ter uma ideia, este seria o equivalente ao que hoje é vendido por 3.900 mercados físicos somados.

O objetivo da parceria é alimentar anualmente a pesquisa intitulada “Digitally Engaged Food Shopper”. Veja algumas desobertas prévias destacadas pelas Nielsen:

Mais dinheiro para a internet
Atualmente, 23% das famílias americanas já fazem alguma parte de suas compras online. Destes, 60% estimam que, em dez anos, gastarão mais de um quarto de seu orçamento para o supermecado em compras pela internet.

Muitos testes, poucas soluções
Vários estabelecimentos e fornecedores já estão fazendo pesquisas e testes de modelos e tecnologias que os ajudem a se tornar online. Nenhum, porém, ainda encontrou o modelo ideal.

Transição rápida
O mercado de alimentação doméstica alcançará a maturidade e mesmo saturação digital mais rapidamente que outros setores que já começaram essa transição, como bancos ou publicações.

Consumidor jovem na dianteira
Consumidores mais jovens, que estão começando a fazer suas primeiras compras agora e são mais engajados digitalmente estão adotando às plataformas de compra de alimentos online mais rapidamente e são eles que irão acelerar essa expansão nos próximos anos.

 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS