Onde os robôs se saem melhor do que a gente

Seminário da KPMG discutiu, nesta quinta-feira, os impactos da nova mão de obra robotizada.

Shutterstock

Eles trabalham 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano. Não tiram férias, não precisam de treinamento e cumprem tarefas em uma velocidade capaz de deixar muita gente por aí boquiaberta. De quebra, acredita-se que possam fazer tudo aquilo que queremos que eles façam, só que com uma suscetibilidade muito menor a erros, acidentes e fraudes. A robotização foi o tema do 1º Seminário “Digital Labor – A nova mão de obra robotizada”, um encontro organizado pela KMPG e que reuniu, na última quinta-feira, empresários e especialistas para discutir o que a interação entre máquinas e humanos deve implicar tanto no nosso dia a dia e no mercado de trabalho como na economia mundial. “Em algumas tarefas, como dirigir ou colher frutas, por exemplo, os robôs podem ser sair muito melhor do que nós. A ideia é essa: colocá-los para fazer aquilo no qual se destacam mais”, disse o cientista político e consultor Heni Ozi Cukier.

Para o especialista, a tendência é de que, com o crescimento da robotização, as pessoas não vivam mais de salários, mas sim de ativos e da economia compartilhada. “Eles vão gerar receita para as pessoas e para as empresas. Quem tiver mais robôs, terá mais riqueza”, diz Cukier. A robotização também promete causar um grande impacto na dinâmica dos mercados globais. Nesse sentido, a força de cada país deve ditar como eles lidarão com as crises relacionadas ao desemprego tecnológico. “Na China, por exemplo, a robotização pode causar uma convulsão social. Já a Índia pode aproveitar a oportunidade e se tornar uma grande exportadora de mão de obra especializada”, diz Cukier.

Cliff Justice, sócio-líder de Inovação e Automação Cognitiva da KPMG nos Estados Unidos, falou sobre o início da 4ª Revolução Industrial, que sucede marcos como a invenção da máquina a vapor, a criação do conceito de divisão de trabalho, o boom da internet e da comunicação em massa e, por fim, a fase atual, da nano e biotecnologia e do trabalho digital. “Aqui, temos a tecnologia cognitiva, que simula como os humanos percebem, aprendem e respondem a estímulos; e o trabalho digital, que é a tarefa humana de organizar dados e aplicá-los em um contexto humano”, disse Justice durante a palestra “The robots are coming, but humans aren’t leaving”.

O fato é que, embora muitos traços humanos não possam ser replicados pela tecnologia, a robotização terá um impacto significativo em diversos setores – a começar pelo de transportes (com veículos autônomos, controle de tráfego aéreo, carga e logística, drones e entregas de pequenos pacotes), operações de negócios (contabilidade e auditoria, risco, impostos), saúde (com a descoberta de medicamentos, diagnóstico e tratamento) e financeiro (com a gestão de investimentos, operações bancárias e detecção e prevenção de fraudes). As máquinas dotadas de inteligência artificial também devem causar uma disrupção no mercado de trabalho e fomentar inúmeras discussões. Quer ver uma delas? Quem será responsável pelo erro das máquinas? Outra? Como serão acordadas as políticas públicas e a regulamentação em torno da Inteligência Artificial? Essas são algumas das perguntas para as quais nós, humanos, precisaremos encontrar respostas.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS