Expectativas de contratação para o segundo trimestre dão sinais de recuperação

Os números ainda não chegam a um saldo positivo, mas houve crescimento com relação ao ano passado, segundo dados do ManpowerGroup. Entenda

As intenções de contratação do mercado de trabalho brasileiro para o segundo trimestre chegaram a -4%. Os dados do ManpowerGroup, apesar de ainda preocupantes, são os mais otimistas dos últimos dois anos, uma vez que houve crescimento de 6 pontos percentuais em comparação com o mesmo período do ano passado e 4 p.p. frente ao primeiro trimestre do ano. O levantamento da empresa mostra que 15% dos empregadores esperam aumentar o quadro de profissionais nos próximos três meses.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
Fora isso, 65% dos empregadores não preveem mudança em sua força de trabalho atual, mas 15% antecipam uma redução na equipe. O estudo entrevistou 850 empregadores no Brasil e 58.293 profissionais em 43 países.
“As previsões para o segundo trimestre continuam desapontando, mas temos alguns sinais de estímulo. Por exemplo, a confiança em melhoria na contratação no setor de transporte tem apresentado um crescimento gradual por três trimestres consecutivos. E o setor industrial tem a mais forte previsão desde 2014”, analisa o CEO do ManpowerGroup no Brasil, Nilson Pereira.
O executivo lembra que ainda é muito cedo para dizer que os indicadores positivos significam uma reviravolta. “Mas nós esperamos que o pior já tenha passado. Nos últimos dois anos tivemos muitas dificuldades com relação ao mercado de trabalho, mas temos muitos profissionais qualificados que estão prontos para aproveitar as futuras oportunidades que surgirão. Estamos confiantes que teremos um crescimento nos próximos três meses”, complementa.
Empregadores de empresas de grande porte anteciparam melhora na expectativa de contratação para o segundo trimestre, reportando uma previsão de 6%. Por outro lado, empregadores de empresas de outros tamanhos anteciparam um declínio nos níveis de contratação, sendo que o pior cenário foi reportado em micro empresas, com -10%.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS