80% dos CEOs adotam políticas de equidade de gênero

Estudo global da PwC mostra que as mulheres ainda enfrentam muitas barreiras no mercado de trabalho, mas empresas estão investindo para mudar o quadro

Mesmo em 2017, quando a caminhada pela equidade de gênero ganha cada vez mais força, os números não são muito animadores para as mulheres – um exemplo são os dados do IBGE que mostram que as brasileiras trabalham 7,5 horas mais que os homens. Ao mesmo tempo, a preocupação com ações efetivas relacionadas ao tema está cada vez mais notória. Segundo uma pesquisa da PwC, os CEOs de grandes empresas consideram a diversidade e inclusão fatores fundamentais para o aumento da competitividade e inovação.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
O estudo “Ganhando a luta pelo talento feminino: como obter a vantagem da diversidade através do recrutamento inclusivo”, realizado com 4.792 profissionais e líderes empresariais de 70 países, mostra que, para 80% dos executivos ouvidos, a estratégia de recrutamento de novos funcionários está alinhada aos princípios da equidade de gênero. Além disso, 78% das organizações estão implantando estratégias para atrair mais talentos femininos.
Para conseguir recrutar e reter os profissionais, essas empresas oferecem oportunidades de carreira em igualdade de condições, salários competitivos e jornadas de trabalho flexíveis.
Empoderadas
A pesquisa também mostra que a equidade tornou-se uma bandeira das profissionais. Atualmente, as mulheres tendem a analisar mais a cultura da organização antes de aceitar uma proposta de trabalho: 67% das candidatas observam o grau de diversidade das equipes seniores e, para 56% delas, é importante que a empresa divulgue publicamente avanços nos programas de inclusão.
“As mulheres, muitas vezes, deixam a empresa por não contar com as mesmas possibilidades de desenvolvimento dos homens”, aponta Ana Malvestio, sócia da PwC e líder de diversidade e inclusão. “Por isso, hoje, elas tendem a observar se a equidade de gênero realmente faz parte do DNA da organização”.
Ainda tem muito a ser feito. O estudo da PwC revela que 50% das mulheres acreditam que ganham menos que seus pares masculinos com os mesmos cargos e qualificação similar. Em relação à evolução na carreira, em média 70% das mulheres tendem a ocupar posições menos qualificadas ao retornarem ao trabalho após um período de afastamento por licença maternidade ou outros motivos.
Quanto às estratégias de recrutamento, a maioria das empresas ainda não utiliza tecnologia digital e data analytics. Atualmente, 30% das organizações utilizam plataformas de seleção de candidatos que facilitam a contratação de profissionais de diversos perfis, gênero e origem, enquanto 28% adotam procedimentos e recursos voltados a reduzir a influência de aspectos emocionais nos processos de seleção. “Não raro, pré-conceitos que os recrutadores possam ter, que nós chamamos de vieses inconscientes, exercem influência sobre a decisão deles”, diz Ana Malvestio. “Por isso, é importante ter processos mais transparentes e que levem em conta essa questão”.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS