Quase todas as pessoas que moram sozinhas são solteiras

Estudo avaliou os rendimentos, o gênero, a idade e o estado civil de quem mora sozinho. Existem grandes surpresas relacionadas aos resultados. Confira

É preciso ser solteiro para morar sozinho? Essa é uma questão que leva a uma das tendências mais curiosas identificadas pela Consumidor Moderno nos últimos anos. Ao contrário do que muitos podem imaginar, é possível estar casado – ou em uma união estável – e não morar junto ao cônjuge.

Além de uma tendência, essa possibilidade já é um fato que pode ser percebido de forma estatística. Os resultados de um estudo feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) são a prova disso.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Como mostram as instituições, a maioria das pessoas que moram sozinhas são solteiras (42%) – mas não são todas. Há também percentuais relevantes de indivíduos separados ou divorciados (29%) e viúvos (25%). E, por mais que representem uma minoria, há ainda uma parcela de 2% de entrevistados que são casados ou estão em união estável, mas vivem em casas separadas.

A idade de quem mora sozinho

O SPC Brasil e a CNDL investigaram também a média de idade das pessoas que moram sozinhas: 52 anos. Quando o assunto é gênero, o estudo confirma que não existe prevalência de gênero. Tanto homens, quanto mulheres representam cerca de 50% dessa população.

Dinheiro no bolso

O estudo avaliou também os rendimentos de quem mora sozinho: o valor médio mensal é de quase R$ 2184, sendo que um terço dessas pessoas (33%) são aposentadas. Outros 27% vivem de trabalhos informais e 21% possuem carteira assinada. Como mostramos anteriormente, o estudo também identificou quais são os principais gastos dessas pessoas

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS