Dívidas das empresas crescem, mas aumento é o menor desde 2011

Empresas com contas em atraso cresceu 4,30% em comparação com o mesmo mês do ano passado; desaceleração do crescimento é considerada histórica

As dívidas das empresas brasileiras continuaram a crescer em abril, mas aumento é considerado o menor dos últimos seis anos.
O indicador de inadimplência é feito pela SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) em parceria com a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas). Em abril deste ano, o número de empresas com contas em atraso cresceu 4,30% em comparação com o mesmo mês do ano passado.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
A consulta é feita mensalmente desde 2011. O crescimento da inadimplência de abril é considerado o mais lento desde o início da série histórica.
O crescimento das dívidas em atraso também cresceu menos para os meses de abril desde o ano de 2011.
Honório Pinheiro, presidente da CNDL, disse por meio de nota que o ritmo de crescimento diminuiu devido a restrição de crédito aos empresários, além de menor propensão a investir. “Com menos custos e menos tomada de crédito, consequentemente, há menos endividamento”, disse.

Líderes de endividamento

Entre as regiões, o Nordeste é o que teve mais empresas devendo em abril. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o número empresas negativadas na região cresceu 5,59%. Em seguida aparecem as regiões Sudeste, que registrou avanço de 4,43% na mesma base de comparação, Norte (4,39%), Centro-oeste (3,51%) e Sul (1,93%).

Segmentos

As empresas de serviços, ramo mais afetado com a crise, são as que lideram a lista dos devedores, seguido da indústria e do comércio. O segmento de agricultura foi o único a apresentar queda na quantidade de empresas endividadas.






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS