Instituições de varejo comentam a redução da Selic

Redução da Selic em 1 ponto percentual, anunciado na última quarta-feira (31), agradou instituições, mas deixou mercado em atenção

Shutterstock

A redução da Taxa Selic (os juros básicos da economia) em 1 ponto percentual, na última quarta-feira (31), reverberou nas principais associações de varejo do Brasil.
O SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) comemorou o anúncio ao considerar a atitude “positiva para a economia” e lembrou que a Selic voltou ao mais baixo patamar desde janeiro de 2014.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
A instituição afirmou que o mercado esperava uma redução maior, mas disse ser compreensível que o agravamento da crise política tenha afetado a redução da taxa de juros.
Por meio e nota, a SPC Brasil disse que por conta da trajetória da inflação e da economia enfraquecida ainda espera mais redução dos juros nos próximos meses.

Inflação

A ACSP (Associação Comercial de São Paulo) divulgou nota dizendo que esperava que o Comitê de Política Monetária (Copom) diminuísse mais a Selic devido ao momento de redução da inflação.
“Na prática, a taxa de juros real está crescendo, o que é ruim para o consumidor e para a economia em geral. Portanto, o Copom precisa cortar a Selic de forma mais intensa nas próximas reuniões”, disse por meio da assessoria de imprensa, o presidente da ACSP, Alencar Burti.
A FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) disse, por nota, que ficou surpresa com a redução em 1 ponto percentual e que a medida “ignorou o aumento das incertezas causadas pela mais nova crise política que o País atravessa no momento”.
A federação considerou “ousada” a atitude do Banco Central, mas disse que a redução em épocas de crise política pode causar dúvidas no mercado sob a condução da autoridade da instituição.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS