Por dentro do Next, o banco digital do Bradesco

Conversamos com o responsável pelo Next, o banco 100% digital do Bradesco. Entre outras coisas, entenda o motivo pela opção da cor “verde electric” da marca

Por: - 2 anos atrás

Next/ divulgação

No último dia 5, o Bradesco lançou o Next, o seu banco 100% digital. A novidade já virou sucesso de público: em apenas dois dias, mais de 20 mil pessoas solicitaram a abertura da conta digital.

A Consumidor Moderno esteve no CIAB, evento organizado pela Febraban, e conversou com Jeferson Ricardo Garcia Honorato, superintendente executivo e grande responsável pelo Next. O executivo falou sobre a plataforma, o motivo que levou o banco optar pela cor chamada “verde eletric” e ainda explicou o motivo do nome Next. A seguir, o nosso bate-papo com o executivo.

Consumidor Moderno – Como surgiu o Next?

Jeferson Ricardo Garcia Honorato – Quando a gente pensa em digital, podemos dizer que o Bradesco já é um banco digital. Afinal, ao mesmo tempo que temos uma rede física espalhada por todo o país, os canais digitais, as redes sociais, ou seja, tudo aquilo que um público que interessa esse tipo de solução. O Next surge para complementar esse ecossistema de soluções. Fizemos estudos antropológicos e entendemos que os Millennials e os hiperconectados tinham a expectativa de uma plataforma digital dentro da instituição financeira. Estamos falando de um público acostumado a interagir com Facebook, Instagram e o Snapchat. É exatamente esse o tipo de experiência que eles querem. Então, dentro do nosso planejamento estratégico, pensamos: o banco, dentro do seu grande investimento em tecnologia, pode recriar esse modelo. Fomos a campo e fizemos um trabalho de investigação cultural com pessoas envolvidas em comportamento para, enfim, entender o que essas pessoas gostariam da gente. É nesse momento que começamos a desenhar o Next, um projeto que levou dois anos para ser feito.

Ivan Ventura

CM – Quais conclusões vocês tiraram a partir desse estudo?

Honorato – Na vida, temos jornada para tudo: casar, viajar… e tudo tem um produto financeiro atrelado. Então, partimos desse pensamento para desenhar o contexto do Next. Um deles é o Objetivo. Essa jornada ensina a pessoa a guardar dinheiro para comprar um carro, uma bicicleta, um videogame ou simplesmente criar uma reserva. Você cria a própria jornada, aloca valores e Next o quanto você está próximo de alcançar esse objetivo. É uma forma lúdica e, ao mesmo tempo, sofisticada de educação financeira.

CM – Dentro dessa jornada há também o Flow. O que isso representa?

Honorato – Quando você adere ao Next, a primeira coisa que o aplicativo recomenda é o estabelecimento de metas de gestão de gastos: o quanto eu gasto com supermercado, escola, entre outros custos. Você mesmo cria suas categorias. Conforme você faz uma transação, por exemplo, ele te mostra se você está dentro ou não da sua meta. Então, a gente ajuda você a conquistar o objetivo e como planejar os seus gastos. Além disso, há algoritmos por trás que entendem o comportamento de cada cliente e envia a melhor recomendação para ele.

CM – E o que vem a ser a curiosa vertical chamada Vaquinha?

Honorato – Notamos que esse público hiperconectado, que não está restrito aos millennials, adora organizar eventos e encontros. É o churrasco da turma ou a formatura. Então, trouxemos para dentro do Next a solução da Vaquinha. Nela, você convida os seus amigos para o evento e, no Next, você gerencia quem pagou ou não. De quebra, você ainda envia um lembrete dentro da própria plataforma àquele que não efetuou o pagamento. Então, todas essas jornadas foram desenhadas a partir do entendimento do que esse público deseja de uma instituição financeira.

CM – O que eu faço para ter acesso ao Next?

Honorato – A distribuição é a seguinte: qualquer pessoa pode baixar o aplicativo na Apple Store e no Google Play. Dentro do aplicativo, ele envia um convite para nós. A gente recebe pedido e, em poucas horas ou dias, aceitamos o seu convite. Daí, ele inicia a jornada de adesão, que é 100% digital. Depois, enviamos um cartão, que foi desenhado especialmente para o Next e te dá acesso aquilo que nós chamamos de “Grana de Emergência”. Trata-se de um limite de crédito pré-aprovado. Ou seja, essa jornada é totalmente fluida, 100% digital e qualquer pessoa efetiva a abertura de uma conta corrente ou poupança em no máximo 15 minutos.

CM – O Next tem custo para o consumidor?

Honorato – Nós criamos quatro modalidades de cestas. Uma delas é o chamado “Faça o seu”, uma espécie de personalização feita pelo cliente. Daí tem os pacotes categorizados. Uma delas está atrelada a conta corrente ou a conta poupança e confere um cartão Gold. O seu custo é R$ 19, 95 por mês. Tem também outro atrelado ao cartão internacional e custa R$ 29,95. Por fim, há um ligado ao cartão Platinum e tem um custo de R$ 39,95. Além disso, nós damos cinco meses de gratuidade para que o consumidor veja se gosta e deseja participar dessa jornada conosco.

Next/divulgação

CM – Você citou as três jornadas: Vaquinha, Objetivos e o Flow. O banco é basicamente isso para as novas gerações?

Honorato – No fundo, o que você tem no Next é uma complementação de outros serviços como pagar ou transferir. Esses serviços também estão lá. Você também tem atrelado ao Next a área Mimos.

CM – E o que é o Mimos?

Honorato – É um grande hub de conexão com parceiros. Hoje o Next está nascendo com cinco parceiros estratégicos: Apple, Uber, UberEats, Natura, Livraria Cultura. Vou te dar um exemplo de uso prático do Mimos. Se você pedir Uber pelo aplicativo Next, você ganha R$ 20 de desconto na sua corrida. Você tem direito a esse valor todo o mês. Assim, se você tem esse desconto de R$ 20 e paga uma cesta de serviços de R$19,95, o Next está pago. Então, no fundo, essa tarifa acaba se diluindo nas próprias vantagens que o Next gera.

CM – Quantas pessoas já aderiram ao Next nesses primeiros três dias de existência do banco digital?

Honorato – Nesse primeiro momento, nós não estabelecemos metas de público. A plataforma começou no último dia 5 e está sendo bem recebida pelo público. Até ontem (dia 7), nós temos 20 mil solicitações de adesão ao Next desde o lançamento. Ele está nos surpreendendo positivamente, mas, nesse momento, o nosso desafio é consolidar a plataforma, colher o feedback das pessoas.

CM – O Bradesco é conhecido pela cor predominantemente vermelha. Por que o verde e o nome Next?

Honorato – O verde se justifica a partir de um estudo que fizemos sobre cores. O “Verde Electric”, que é a cor do Next, está muito ligado ao mundo digital. No mundo, muitas coisas que se comunicam com esse universo conectado utiliza essa cor. Quanto ao nome Next, era uma propriedade do banco há cinco anos. Quando a gente foi fazer um estudo de nomenclatura, o Next era uma palavra curta, de fácil memorização e te mostra a ideia de inovação bem próxima.

CM – Por fim, uma provocação: a plataforma é digital, mas e o atendimento? Vocês atendem por telefone?

Honorato – O Next foi construído para que as pessoas tenham tudo por meio do autosserviço. Por trás dele, há uma estrutura de gerentes consultores que trabalham 24×7 e te ajudam via chat. Então, se o cliente tem uma dúvida, quer fazer uma ação sofisticada, ele pode acionar um gerente a qualquer dia e horário. Por outro lado, se o cliente precisar uma agência do Bradesco, ele pode sacar dinheiro em um ATM. Mas a máxima do Next não é plugá-lo com o mundo físico. É para que ele utilize a plataforma digital. Até existe o telefone como obrigatoriedade, mas é pouco usado por esse público.