As preferências e preocupações dos solteiros brasileiros

Ao contrário do que muitos pensam, beleza não é a maior preocupação dos solteiros, aponta pesquisa. Confira os detalhes no infográfico

Shutterstock

O hábito de dar uma olhadinha nas redes sociais de pessoas conhecidas é bastante comum – principalmente entre os solteiros. Entre os brasileiros, esse perfil de pessoas é bastante digital (como já abordamos aqui) e, por isso, quando sente interesse em alguém, procura diretamente suas redes, com destaque para o Facebook (92%), Instagram (22%) e Twitter (8%). É o que aponta a pesquisa elaborada pelo Match Group LatAm, empresa detentora de marcas como Tinder e ParPerfeito.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Os principais itens procurados nessas plataformas são as fotos (80%), interesses em comum (70%), além das curtidas e comentários (49%). Os vídeos aparecem em último lugar, com 20% das menções.

O estudo mostra que beleza não é a principal preocupação dos solteiros. Na verdade, eles procuram alguém que tenha os mesmos valores pessoais, opção escolhida por 70% dos entrevistados. Um bom papo e inteligência empataram com 51% e, por último, vem a alternativa de ser bonito, com 20%. “Isso desmistifica a ideia de que, em sites e apps de relacionamento, as pessoas priorizam a aparência para escolher os pretendentes”, destaca Marcos Moraes, presidente do Match Group LatAm.

Expectativas

Segundo a pesquisa, o público solteiro é bastante detalhista. 60% dos entrevistados analisam o lugar marcado para o primeiro encontro e reparam se o pretendente tem o hábito de responder mensagens durante o momento, item apontado por 55% das pessoas como um queima filme.

Quebrando tabus

Como o uso de apps de relacionamento foi considerado tabu por bastante tempo – e o estudo mostra que no Brasil isso não é mais visto dessa forma, a pesquisa também quebra outros clichês sobre relacionamentos. É comum ouvirmos dizer que o público LGBTQ tem mais facilidade para encontrar parceiros e análise mostra que não é assim: 65% dos entrevistados têm a percepção de que essa facilidade não existe.

Outro destaque fica para as perguntas sobre religião. A ideia de que a religião não influencia no relacionamento foi mencionada por 49% dos respondentes, ilustrando quase um empate com a visão contrária, de que influencia sim, citada por 51%.

Com relação ao empoderamento feminino e a igualdade de gênero, ainda precisamos caminhar. 41% dos solteiros escutados pela empresa não conhecem o movimento. Mesmo assim, 39% acham o assunto importante para a equidade de gêneros.

Confira mais destaques no infográfico:

Infográfico: Fernanda Pelinzon, Grupo Padrão






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS