O que mudou no perfil de consumo das famílias pós-crise?

Levantamento detalha as mudanças no mercado brasileiro em 2017 e explica como está dividido o comportamento de consumo das famílias

Os atuais padrões de consumo dos brasileiros são reflexos de como as famílias foram impactada pela crise econômica. A informação faz parte do estudo sobre mudanças no mercado brasileiro em 2017, realizado pela consultoria Nielsen.
Segundo o estudo, há quatro grandes modelos de famílias com diferentes intensidades de retração no consumo e com distintas formas de economizar. Confira as características de cada uma delas.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

1. Famílias abaladas

As chamadas famílias abaladas correspondem a 28% dos lares brasileiros e são formadas por donas de casa com idade entre 26 e 30 anos, com ensino superior e com crianças de 6 a 11 anos.
A crise obrigou esse tipo de família a ficar mais atento aos produtos que coloca no carrinho de compras. Agora, eles optam por trocar marcas e priorizam os produtos que tenham uma boa relação de custo-benefício.

2. Famílias conscientes

Os membros das famílias conscientes correspondem a 19% dos lares e são caracterizados pelos que mantém o orçamento planejado para evitar o desequilíbrio financeiro.
Os brasileiros desse tipo de família buscam estabilidade, evitam realizar compras parceladas e procuram sempre economizar.
São exemplos de famílias conscientes os aposentados e pensionistas, casais sozinhos e donas de casa de 56 anos ou mais com educação primária incompleta.

3. Famílias promissoras

O terceiro tipo de família corresponde a 11% dos lares brasileiros. Para eles, é difícil abrir mão do padrão de vida conquistado, o qual tem muito orgulho e que esperam retomá-lo em breve. Entre as metas desse grupo está de estabilizar as dívidas para guardar dinheiro.
Para as famílias promissoras, lazer e entretenimento fora de casa não estão mais dentro das possibilidades, por isso diversão dentro de casa com a família e amigo virou uma das principais atividades.
Participam desse perfil as donas de casa, entre 41 e 50 anos, com formação superior que moram com adolescentes de 12 a 17 anos.

4. Famílias administradoras

Esse último tipo de família corresponde a 28% dos lares brasileiros e correspondem as pessoas que possuem educação financeira e que tem aptidão por administração.
Normalmente é composta por chefes de família e/ou donas de casas que atuam como sócios-proprietários de empresas ou como profissionais liberais.
Os membros das famílias administradoras prezam pela qualidade de vida e por isso conforto e bons produtos são prioridades. As novidades, lançamentos e tendências completam os principais interesses desse brasileiro.






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS