Ferramenta ajuda a identificar o melhor local para abertura de lojas

Em painel, Ruy Euduvale Torres, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, falou sobre o uso da People Scope em benefício das empresas. Entenda

Tempo de leitura: 2 minutos

27 de junho de 2017

Imagine uma ferramenta que reúne informações de alguns dos mais importantes institutos do Brasil. Agora, pense em uma tecnologia que permita o cruzamento desses dados com foco em um objetivo específico. Essa ideia foi colocada em prática no People Scope, que reúne informações do SPC e pesquisas do Target Group Index, Censo e da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD).
A ferramenta é resultado de um mapeamento de todo o Brasil, feito em 13 macrossegmentos, com 42 segmentos populacionais. Não por acaso, esses dados podem colaborar com o conhecimento que as empresas possuem de seus clientes. Esse foi o assunto do painel “Uso do people scope para avaliação de abertura ou mudança de lojas”, apresentado por Ruy Euduvale Torres, head de inteligência de negócios da Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Sobre o Mackenzie, ele comenta que o mercado de ensino apresentou crescimento até 2014. Contudo, entre esse ano e 2016, houve uma queda, devido à falta de oferta do FIES e à crise. Para combater esse cenário, ele destaca que o Mackenzie está trabalhando para trabalhar em um novas formas de desenvolvimento de produto, além de buscar novos mercados.
Para isso, a empresa criou uma espiral que envolve estratégia e operação, constantemente revendo a própria estratégia e atualizando a operação. Nesse sentido, ele afirma que a empresa precisa considerar que, por exemplo, nem todas as pessoas que têm renda para pagar uma faculdade são o público do Mackenzie. Por isso, ele utiliza o People Scope para olhar para cada um dos alunos e enxergar a possibilidade de recompra – da possibilidade de passagem de graduação para uma pós graduação, por exemplo.
Além disso, a ferramenta permite descobrir onde a empresa pode encontrar um novo local para estabelecer sua atuação. “Quando falamos em P&D, conseguimos identificar quem é o aluno que sai da faculdade e por que ele o faz”, explica. “Conseguimos identificar esse padrão, que afeta o nosso negócio”.
No caso de abertura de mercado, ele conta que a empresa buscou pelo Brasil locais semelhantes aos pontos onde o Mackenzie já está localizado. “O People Scope, nessa perspectiva, nos ajuda a encontrar bairros e quadras onde devemos abrir uma unidade”, diz. “A vantagem é que, de São Paulo, conseguimos ver o Brasil todo e saber como são todos os locais”.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS