Fornecedores são a principal fonte de empréstimo das empresas

Estudo mostra como donos de empresas têm evitado a ida ao banco e buscado crédito com outros empresários para capital de giro

A principal fonte de financiamento de curto prazo das companhias é o crédito conseguido com os fornecedores. A relação de empréstimo representa 30% do total de capital de giro das companhias.
O dado faz parte do levantamento da Serasa Experian que analisou 50 mil empresas de todos os setores e regiões do País.
Segundo o mesmo estudo, 8% dos fornecedores apresentem riscos aos seus parceiros, financiadores e compradores. Isso ocorre devido problemas trabalhistas, tributários e ambientais dessas empresas.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
O risco de inadimplência de empresas fornecedoras que possuem faturamento acima de R$ 100 milhões representa 14,3%. Já as fornecedoras com faturamento abaixo desse montante têm risco de 20,6%.
“A constante redução de custos de forma indiscriminada nas empresas vem diminuindo os investimentos necessários nas áreas de compras, inviabilizando a capacitação técnica dos funcionários, a qualidade das fontes das informações analíticas e prejudicando a seleção dos melhores fornecedores”, explica Victor Loyola, vice-presidente de pessoa jurídica da Serasa Experian.

Tipos de crédito

Na avaliação da consultoria, o modelo de troca de crédito entre empresas, também chamado de crédito mercantil, tornou-se a principal fonte de recursos para as médias e grandes empresas do País nos últimos cinco anos.
“Isso acontece por serem recursos naturais da atividade empresarial, seus custos são substancialmente menores em relação aos custos dos empréstimos bancários para capital de giro”, disse a Serasa Experian por meio de nota.
Em igual período, diz o estudo, o crédito feito pelas empresas aos bancos diminuiu quase 30% motivado principalmente pelos altos custos dos juros.






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS