Não é só futebol: o novo modelo de negócio do Allianz Parque

Allianz Parque Experience é o novo nome de atrações anunciadas para rentabilizar o estádio. O modelo está em expansão no Brasil. Conheça as apostas

Por: - 2 anos atrás

A ideia de oferecer grandes experiências aos consumidores chegou a um mercado bastante disputado: o futebol. Nesta sexta-feira (7), a Arena Experience apresentou novas ações para o público do Allianz Parque. A empresa se apresenta como uma startup brasileira especializada em experiência em arenas, que nasceu do desafio que os estádios atualmente passam parar gerar receita.

Um pouco depois da inauguração da nova arena do Palmeiras, em novembro de 2014, a WTorre passou a disponibilizar um tour dentro do estádio, em que os torcedores têm a possibilidade de conhecer o vestiário e campo de futebol. Segundo Rogério Dezembro, CEO da Capital Live (braço de serviços da WTorre), o tour teve um boa resposta do público e então a organização decidiu oferecer algo a mais.

“É um estádio com recordes de audiência e ticket médio alto. Queremos encarar o espaço não só como prédio, mas como experiência”, destacou durante o lançamento. A perspectiva é aumentar em 30% o fluxo de pessoas nos dias em que não há eventos na casa – como jogos ou shows.

Experiências

Com o novo anúncio, as opções aumentaram. O Tour Convecional (com acesso às arquibancandas, camarotes, sala de imprensa, áreas exclusivas, vestiário, gramado, loja com produtos, etc) se mantém. Os valores serão R$ 55,00 (durante a semana) e R$ 70,00 (em fins de semana e feriados).

Além disso, o público terá acesso a:

“Tour Ídolos” – uma visita a estrutura da arena junto a um grande ídolo do clube. Preço: R$ 180,00. Será iniciado em agosto;

“Radical” – uma experiência de descer de rapel da cobertura ao gramado, no total de 40 metros de altura. Preço: R$ 220,00, começa já em julho;

“Saideira” – uma experiência em um bar temático que faz referência a uma mesa redonda. A intenção é integrar fãs e atletas com possibilidade de fotos e autógrafos. Os preços ainda não estão definidos e, segundo a empresa, sua divulgação será sazonal, passando pelas devidas campanhas para chamar o público;

“Game” – uma ação da WTorre para chamar a atenção dos adeptos ao e-sports na arena;

“Soccer Experience” – uma partida de futebol no gramado da arena também com ídolos e jogadores do clube. Também não tem valor definido por enquanto.

Um espaço aberto

Rodrigo Geammal, CMO da Arena Experience, aponta que o objetivo agora é trazer temas inovadores para o Allianz Parque. Isso quer dizer que a empresa não quer mais restringir o espaço apenas ao futebol. A ideia é encontrar possibilidades para outras modalidades frequentarem – e monetizarem – a casa – como é o caso da aposta em e-sports.

Será investido R$ 1,5 milhão nos próximos três anos para gerar novas experiências na arena. O público corporativo também é um foco. “Queremos chamar a atenção das empresas para aproveitarem o espaço para ações de engajamento com seus colaboradores”, aponta o CMO.

Contraponto

A ideia da WTorre parece ser benéfica para a casa do Palmeiras, já que vai gerar mais receitas no local e o clube tem pequenas participações mesmo em eventos que não são ligados a futebol. Porém, a satisfação dos consumidores palmeirenses não está alta com a empresa. Um restaurante panorâmico e o museu com a história do time foram prometidos no início da operação da companhia – promessas ainda não cumpridas.

A questão do restaurante acaba mais gritante, já que o espaço reservado a ele continua na fronteira entre as arquibancadas Superior Norte e Leste. Nenhuma das ações tem previsão para serem colocadas em prática.

Mercado em expansão

Outros estádios também estão investindo em experiências para angariar mais fundos e melhorar suas receitas. No Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, é disponibilizada a Visita Colorada, um tour guiado pelo museu, arquibancada, memorial e outros locais da arena. Os torcedores também têm a opção de realizar um book fotográfico no local.

O estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, também tem algumas atrações extras. Além de também oferecer tour pelo estádio, o Museu Brasileiro do Futebol funciona lá desde março de 2013. Em março de 2016, foi criado o “Mineirão Tribuna”, um camarote onde é realizado festas e shows antes das partidas ocorridas no local.

Fora isso, neste ano, foi inaugurado o Intervalo da Leitura, primeiro espaço brasileiro infanto-juvenil voltado para literatura sobre futebol, e o estádio tem a iniciativa “Arcãobancada”, que permite a presença de pets nos jogos. Com os esforços, no primeiro trimestre de 2017, as vendas do estádio superaram em 50% as vendas da temporada total de 2016.

De fato, o modelo está em expansão. É uma aposta para colocar as arenas em atividade mesmo quando não há jogos de futebol acontecendo. No caso das arenas espalhadas pelo Brasil – que ganharam um alto nível de investimentos em decorrência da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016 – é um teste ainda mais válido, já que muitas estão quase sem uso após os eventos esportivos.