Número de brasileiros que pediram crédito no primeiro semestre cresceu 2,1%

Apesar de positiva a procura de crédito é considerada desacelerada pelos economistas especialistas. Entenda o porquê disso

A quantidade de pessoas que buscou crédito no primeiro semestre do ano cresceu 2,1% em relação ao mesmo período de 2016. Apesar de positiva, a demanda é vista como enfraquecida pelos economistas.
O levantamento foi feito e divulgado pelo Serasa Experian. Para os economistas da instituição, o enfraquecimento é visto pois o crescimento registrado no primeiro semestre do ano passado havia sido de 3,2%.
A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!
O motivo para o desaceleramento são os juros altos, aumento do desemprego e a confiança deprimida dos consumidores. Esses fatores diminuíram a vontade dos consumidores em buscar crédito no primeiro semestre de 2017, em especial nos primeiros meses do ano.

Divisão por renda

O estudo demonstrou que houve avanço na procura por crédito em quase todos os tipos de renda no consolidado do ano. Os consumidores que ganham até R$ 500 por mês, por exemplo, o aumento foi de 4,1%.
Os brasileiros que recebem entre R$ 500 e R$ 1mil a alta foi de 3,2%. Já quem ganha entre R$ 1 mil e R$ 2 mil o crescimento foi de 1,4%. Entre os que recebem em torno de R$ 2 mil a R$ 5 mil a procura cresceu 0,3%.
Já os que recebem entre R$ 5 mil e R$ 10 mil a procura caiu para 0,4% e os consumidores com renda mensal acima de R$ 10 mil a demanda cresceu 0,2%.

Por regiões

Se comparado todos os estados, a maioria das regiões também apresentou crescimento total de 2,1% na busca por crédito segundo o consolidado no ano. A região Centro-Oeste foi a única que a demanda caiu, registrando -1,5%.
O Nordeste foi o Estado que mais cresceu, com 4,8% segundo o consolidado, seguido do Norte com 4%. A região Sul foi a terceira que mais cresceu, com 2,7% a mais. E por fim a região sudeste com 1,4%.






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS