Saiba como o Bradesco está utilizando inteligência artificial em seu atendimento

Um ano após a adoção de IA, banco brasileiro começa a atender seus clientes digitalmente com o auxílio de sistemas cognitivos. Entenda

Diversas empresas já apostam em robôs para trazer melhores soluções em atendimentos para os clientes ou até mesmo para tirar dúvidas dos próprios funcionários. Desde 2016, o banco brasileiro Bradesco, por exemplo, já auxilia os seus empregados em atividades do dia a dia, trazendo regras de produtos e serviços bancários de maneira mais rápida e atualizada.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Por meio da adoção do sistema cognitivo Watson, da IBM, o banco brasileiro chegou à adoção do Bradesco Inteligência Artificial, com respostas imediatas a qualquer problema que os atendentes possam ter. Por meio das respostas, o sistema cria uma base de dados cada vez mais rica e certeira.

“As aplicações dessa tecnologia são praticamente ilimitadas e ela já responde a mais de 22 mil perguntas por dia”, diz Luca Cavalcanti, diretor executivo do Bradesco.

O alvo é o consumidor

Após mudar a maneira como os trabalhadores das agências e da matriz da instituição interagem com a tecnologia, o Bradesco volta as suas atenções para os clientes.

De acordo com o banco, a demora em estrear a ferramenta com os clientes se deu por uma estratégia. A ideia foi dominar a tecnologia de inteligência artificial dentro de casa para depois chegar ao consumidor final.

No aplicativo do Bradesco, os clientes já podem tirar dúvidas por meio de um robô e até fazer transações básicas, como consultas, transferências e pagamentos, utilizando esse mesmo chatbot. “No princípio a interação acontecera? por texto, mas em breve também será possível por voz”, conta Marcelo Câmara, Gerente Departamental de Pesquisa e Inovação.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS